Rede privada

Pacientes podem levar até quatros anos para ter acesso a medicamentos oncológicos

Segundo a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, falta de transparência dificulta acesso de pacientes a tratamentos mais modernos

13:00 · 08.09.2018
Medicamentos
Pelas regras atuais, a atualização do rol de procedimentos e medicamentos cobertos pela ANS ocorre a cada dois anos, mas, na prática, esse acaba se tornando até quatro ( Foto: Arquivo )

Especialistas estão preocupados com o tempo necessário para que pacientes tenham acesso a medicamentos oncológicos, mesmo na rede privada. Na saúde suplementar, é responsabilidade da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decidir pela incorporação, mas a falta de transparência e de clareza nos critérios tem afastado pacientes de tratamentos mais modernos contra o câncer, de acordo com a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica. 

Pelas regras atuais, a atualização do rol de procedimentos e medicamentos cobertos pela ANS ocorre a cada dois anos, mas, na prática, esse acaba se tornando até quatro. Isso se for aprovada por um comitê fechado da ANS, o COSAÚDE.

“Os pedidos de incorporação são discutidos um ano e meio antes do o rol entrar em vigor. Sendo assim, se um novo medicamento é aprovado logo após o encerramento das solicitações, sua análise ocorrerá somente para entrar ou não no rol seguinte, depois de mais três anos”, explica o Dr. Sergio D. Simon, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica. “Os avanços no tratamento de câncer ocorrem em grande velocidade e é direito dos pacientes ter acesso a essas terapias que podem salvas suas vidas”, completa.

Além do tempo de espera, a participação de sociedades médicas e outras organizações da sociedade civil é ainda mais limitada que no sistema. Em julho, a ANS abriu a consulta pública nº 69 para regulamentar o processo administrativo de atualização da lista mínima de cobertura obrigatória dos planos de saúde. 

Restrições 

Dentre as decisões preliminares da ANS, está a manutenção do prazo de dois anos para atualização do rol e uma restrição ainda maior da participação da sociedade na próxima atualização do rol. A agência alega que este é o período mínimo necessário para que o trâmite administrativo seja cumprido e que a redução do prazo geraria falta de previsibilidade para operadoras e instabilidade das tabelas de cobertura mínima. Para o presidente da SBOC, a justificativa é baseada em burocracia e falta de estrutura.

“A participação de toda a sociedade deve ser ampla e irrestrita. Não faz o menor sentido uma consulta pública para dizer que não haverá consulta pública. Além disso, muitas decisões judiciais movidas por pacientes já fazem com que as compras sejam feitas em prazos curtos e a preços elevados, por uma quantidade mínima de medicamentos em benefício apenas daqueles poucos pacientes que conseguem decisões favoráveis da Justiça”, alerta o presidente.

A população pode participar da consulta acessando a página “participação da sociedade” no site da ANS, até dia 17/09.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.