Ouvido de nadador

Otite externa pode afetar crianças e adultos durante as férias

Doenças contraídas em locais de diversão, como praias e piscinas, são mais frequentes no período de férias

10:59 · 19.01.2018
dor de ouvido
A otite externa se manifesta quando há contato constante com a água o que favorece a proliferação de bactérias e fungos

O clima tropical do Nordeste  propicia muitas  opções de lazer para quem busca se divertir e se refrescar ao mesmo tempo, a exemplo das piscinas e praias. Contudo, a otite externa pode ser um risco oculto nestes ambientes aquáticos. A doença se manifesta quando há contato constante com a água e o ouvido cria uma umidade propícia para a proliferação de bactérias e fungos. Dessa forma, ocorre uma inflamação no canal auditivo externo, ocasionando muita dor, e, em alguns casos, perda de audição.

Apesar do período das férias ser festivo e descontraído, é preciso manter a atenção quanto a saúde. Segundo o médico otorrinolaringologista e presidente da Coorlece, João Paulo Bastos, pessoas que praticam esportes aquáticos, como natação e surf, tem mais propensão a ter esse tipo de doença, também chamada de “ouvido de nadador”.

Outro fator que causa a otite externa é o uso inadequado de objetos para auxiliar na limpeza do canal auditivo, como cotonetes, grampos e arames. Estas ações causam ferimentos e não permitem que o cerume cubra da maneira ideal todo o ouvido.

Prevenção

“Uma boa dica é se certificar se a água está própria para banho ao entrar em ambientes aquáticos, como rios, praias e piscinas. Se não for possível, uma opção é utilizar protetores apropriados para evitar a entrada de água na orelha externa ao nadar. Caso sinta necessidade de enxugar as orelhas, utilizar sempre uma toalha macia e não introduzir nada na orelha externa.”, alerta o otorrinolaringologista.  

O tratamento da otite externa inclui o uso de analgésicos por via oral e de antibióticos ou antifúngicos em gotas. Quando a coceira  ou a dor for persistente, é necessário procurar um otorrinolaringologista para instituir o tratamento adequado.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.