Pós-operatórias

OMS indica Terapia por Pressão Negativa para reduzir incidência de infecções

No Brasil, 11% de todos os procedimentos cirúrgicos realizados resultam em uma infecção deste tipo

16:00 · 10.04.2018
Cirurgia
No Brasil, as infecções do sítio cirúrgico ocorrem frequentemente nos serviços de saúde e representam de 14% a 16% das ocorrências encontradas em pacientes hospitalizados ( Foto: Divulgação )

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou, pela primeira vez, diretrizes para a prevenção e controle das Infecções do Sítio Cirúrgico (ISCs) que ocorrem quando bactérias contaminam as incisões feitas nas cirurgias. Dentre as recomendações da agência global, a terapia por pressão negativa profilática foi apontada como uma solução para a redução da incidência de ISCs em incisões fechadas com alto risco de infecção.

A terapia por pressão negativa é um mecanismo que promove a melhora do ambiente celular e acelera o fechamento da ferida por meio da assepsia, do controle da umidade no local e da drenagem de fluidos.

A partir de uma revisão sistemática, a OMS concluiu que esse tipo de terapia reduziu significativamente a probabilidade de ISCs em pacientes com uma incisão de alto risco fechada (como, por exemplo, cirurgias abdominais, vasculares, de trauma ortopédico, entre outras), comparadas aos curativos pós-operatórios tradicionais.

A análise dos estudos observacionais demonstrou uma redução de mais de 7% na incidência desse tipo de infecção nos casos em que a terapia por pressão negativa foi utilizada. Os achados foram publicados na revista Medicine.

“É a primeira vez que a OMS divulga diretrizes sobre esse tipo de infecção, uma das mais recorrentes no pós-operatório; o que mostra a importância da prevenção das infecções do sítio cirúrgico”, comenta Débora Sanches, presidente da Sociedade Brasileira de Tratamento Avançado de Feridas (SOBRATAFE). 

“As medidas vão desde a higiene dos pacientes e do uso adequado de antibióticos até a utilização de terapias mais modernas, como a terapia por pressão negativa, para conter o problema”, completa.

No Brasil, as infecções do sítio cirúrgico ocorrem frequentemente nos serviços de saúde e representam de 14% a 16% das ocorrências encontradas em pacientes hospitalizados.  Quase 11% de todos os procedimentos cirúrgicos analisados pelo Ministério da Saúde resultaram em uma infecção deste tipo.

A taxa de infecção varia de acordo com fatores relacionados à população atendida e aos procedimentos realizados, sendo que em países com baixa e média renda o risco de ISCs é de 3 a 5 vezes maior que nos de alta renda.  

Além do tratamento das infecções do sítio cirúrgico, as terapias por pressão negativa vêm sendo utilizadas ao redor do mundo desde a década de 90 como aliadas no tratamento de feridas complexas (lesões agudas ou crônicas de cicatrização complicada), como as de pés diabéticos, as úlceras por pressão, as de fraturas expostas, entre outros.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.