Produção de estrogênio

Obesidade é um dos fatores que interferem na fertilidade, diz especialista

No Brasil, segundo levantamento do Ministério da Saúde, a doença afeta 51% da população

09:10 · 24.05.2018 por Estadão Conteúdo
Obesidade
A obesidade não afeta apenas as mulheres, o excesso de peso no homem reduz o nível de testosterona e aumenta o de estradiol ( Foto: Divulgação )

A obesidade já é tratada como epidemia e tem causado preocupação às autoridades. No Brasil, segundo levantamento do Ministério da Saúde, a doença afeta 51% da população. O excesso de peso pode estar relacionado a doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais (AVCs), diabetes tipo II, alguns tipos de cânceres e interfere até na fertilidade dos casais. 

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que cerca de 60 milhões de brasileiros, um em cada dez casais, não conseguem ter filhos, os motivos são os mais variados, mas entre eles está o excesso de peso. De acordo com o ginecologista e obstetra, Dr. Alfonso Massaguer, a obesidade pode interferir na fertilidade de várias maneiras.

"A obesidade pode alterar a ovulação, isso ocorre porque o excesso de peso ocasiona um distúrbio na produção e metabolização do estrogênio (hormônio sexual fabricado pelos ovários), diminuindo as chances de engravidar. O excesso de peso também aumenta o risco de abortamento, e mulheres nestas condições, tem piores resultados no tratamento em reprodução assistida, como a fertilização in vitro e podem ter problemas durante o pré-natal e no parto", informa o médico. 

Além dos problemas durante a gestação, mulheres acima do peso podem desenvolver a Síndrome dos Ovários Policísticos, ter problemas com hipertensão e diabetes, agravar doenças como a endometriose e a pré-eclâmpsia, ocasionada pelo aumento da pressão arterial. Segundo o Dr. Alfonso, as complicações decorrentes da doença podem ocasionar parto pré-maturo e no caso da diabetes, aumentam os riscos de óbito para o bebê.

Prevenção

O tratamento indicado para a obesidade nas mulheres gestantes é uma alimentação saudável, principalmente no primeiro trimestre da gestação, quando toda a formação inicial do bebê acontece. "Ademais, é aconselhado realizar um fortalecimento das costas, através da fisioterapia e exercício físico, fazer drenagens nas pernas e ter um acompanhamento de pré-natal mais rigoroso, analisando o crescimento e o peso do bebê", indica o ginecologista.

A obesidade não afeta apenas as mulheres, o excesso de peso no homem altera as taxas de dois hormônios importantes, reduzindo o nível de testosterona e aumentando o de estradiol, comprometendo a produção de esperma. "Além de prejudicar o ciclo hormonal masculino, o homem com sobrepeso tem maior índice de fragmentação do DNA do espermatozoide, o que pode gerar falha na fertilização e menor taxa de gravidez", conclui o Dr. Alfonso Massaguer.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.