Aliada

Nova tecnologia facilita o diagnóstico da lesão “joelho de corredor”

Lesão amolece a cartilagem da patela

09:56 · 17.02.2017
joelho
"Joelho de corredor" pode provocar dores ao dobrar ou esticar o joelho ( Foto: Divulgação )

Os joelhos costumam ser vítimas de uma série de problemas, entre eles a condromalácia patelar, também conhecida como “joelho de corredor”. A doença caracteriza-se pelo amolecimento da cartilagem da patela, que pode evoluir até sua total destruição. 

Pessoas que sentem dores no joelho ao correr, como a sensação de 'agulhadas', podem estar com condromalácia patelar. O quadro impossibilita que a pessoa execute normalmente o ato de esticar a perna e dobrar o joelho. A pressão entre a patela e o fêmur aumenta e até mesmo subir e descer escada pode se tornar uma ação difícil.  

"Os sintomas, em geral, são dor, rangidos ou estalos na região anterior do joelho, na hora de realizar agachamentos ou em situações que envolvam a flexão das pernas. Não existe uma causa exata, mas a sua etiologia pode estar relacionada com fatores anatômicos, histológicos e fisiológicos",indica O fisioterapeuta especializado no tratamento de dores no joelho e no quadril, Helder Montenegro, ajuda a entender a lesão..

No caso do desgaste da cartilagem, a condromalácia afeta principalmente as mulheres jovens entre 15 e 40 anos. Muitas vezes por conta da anatomia dos joelhos, quando estes são voltados para dentro, ocorre o deslocamento da patela, que entra em contato com a lateral externa do fêmur e acaba sofrendo uma deformidade interior da cartilagem. 

 

Diagnóstico e tratamento

 

A avaliação médica é feita com o uso de um software internacional com o sistema 2D. É capaz de detectar alterações durante a corrida que podem levar a lesões e prejuízos no desempenho a partir da filmagem do corredor e do uso do programa de análise de movimento, onde cada fase da passada é avaliada minuciosamente. 

"A partir da análise 2D é possível detectar nas articulações onde está a sobrecarga, que pode ser a causa de lesões ou do aparecimento de dor, para a partir daí se montar uma estratégia preventiva ou tratamento específico, de acordo com a necessidade de cada paciente", explica o diretor clínico do Intituto Trata, Thiago Fukuda.

Um diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento. Em casos mais graves de desgaste da cartilagem, o paciente pode até mesmo sofrer intervenção cirúrgica. Nos menos graves, o tratamento indicado é baseado em fisioterapia, anti-inflamatório e viscosuplementação (injeção de substâncias no joelho para melhorar a nutrição da cartilagem).

"A fisioterapia pode auxiliar, especialmente, no fortalecimento de alguns músculos e de exercícios que enfatizam o alongamento. Músculos fortes permitem que o joelho tenha boa estabilidade, além de tornar atividades muito exigentes para o joelho, relativamente, mais leves. O treinamento de força também fortalece a cartilagem, deixando-a mais resistente aos possíveis desgaste", conclui Fukuda.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.