Alerta

Nem sempre boca seca é sinal de sede, afirma especialista

Otoneurologista explica as doenças que podem estar associadas

15:00 · 12.04.2018
bebendo água
Casos de boca seca podem trazer complicações para a cavidade bucal e garganta ( Foto: Divulgação )

A sensação de boca seca, também conhecida como xerostomia, nem sempre indica que é hora de beber água e pode ser sinal de alguma outra doença, como baixa produção ou entrega de saliva na cavidade bucal.

Além de boca seca, outros sintomas podem surgir como dificuldade para engolir ou mastigar. As causas podem estar associadas às glândulas salivares responsáveis pela produção de saliva ou ao uso de determinados medicamentos (antidepressivos, relaxantes musculares, ansiolíticos, tranquilizantes).

“O tabagismo e os efeitos de radioterapia local também constituem etiologias importantes. Se além da boca seca o indivíduo tem dor ou dificuldade para mastigar o problema pode ser cálculo nos ductos das glândulas salivares”, explica Dra. Jeanne Oiticica, otorrinolaringologista, otoneurologista e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

O diagnóstico é feito, principalmente, pela história clínica. Em casos específicos, exames complementares podem ser solicitados, incluindo sangue, imagem e biópsia. O tratamento deve ser conduzido caso a caso, dependendo do diagnóstico verificado pelo especialista.

A boca seca pode trazer complicações para a cavidade bucal e garganta. Além de afetar o hálito e o pH da boca, pode indicar doenças inflamatórias e/ou infecciosas das glândulas salivares, que podem ser crônicas e nocivas ao organismo, acometendo diretamente as defesas e a imunidade local, deixando o indivíduo mais suscetível.

A Dra. Jeanne lista algumas dicas de prevenção para evitar as doenças que causam a boca seca. São elas: Higiene bucal regular (escovar os dentes após as refeições e antes de dormir, uso de fio dental, gargarejos com água morna e uma pitada de bicarbonato de sódio); Hidroterapia (beber pelo menos 2 litros de água por dia); Evitar o consumo de bebidas e ou alimentos que deixam a saliva grossa e espessa (laticínios, café, refrigerantes, álcool).

“Sempre indico o consumo de uma maçã por dia, já que a fruta tem efeito desengordurante, adistringente, capaz de limpar e remover resíduos e impurezas da boca. Existem ainda as salivas artificiais e estimulantes do fluxo salivar, que podem repor a falta de produção intrínseca de saliva”, conclui Dra. Jeanne.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.