Avanço

Medicina personalizada amplia perspectivas no tratamento da asma grave

A condição inflamatória crônica tem migrado dos cuidados de emergência para o tratamento diário personalizado

17:00 · 22.08.2018
Asma
A asma atinge 6,4 milhões de brasileiros adultos e é responsável por mais de 100 mil internações anuais no SUS ( Foto: Divulgação )

Uma das doenças respiratórias mais prevalentes no mundo, a asma vem recebendo cada vez mais atenção do mundo científico nas últimas décadas. Por tratar-se de uma condição inflamatória crônica, seu cenário de tratamento tem migrado dos cuidados de emergência para o tratamento diário personalizado.

A condição atinge 6,4 milhões de brasileiros adultos e é responsável por mais de 100 mil internações anuais no SUS, um importante montante de recursos públicos destinados aos tratamentos de emergência. Uma explicação para o grande número de hospitalizações está na baixa adesão dos pacientes ao tratamento.

De acordo com um levantamento realizado com apoio da AstraZeneca, apesar de 61,9% dos pacientes utilizarem medicamentos para a asma, apenas 32,4% deles foram considerados totalmente aderentes ao tratamento, sendo que a classe de medicamentos mais utilizada, por 61,5% dos pacientes, é dos broncodilatadores de curta ação, medicamentos que aliviam os sintomas, mas não tratam a inflamação, que é a base da doença.

Segundo a pneumologista Dra. Angela Hondal, apesar da asma alérgica, que se inicia na infância, ter uma alta prevalência na população, existe outra parte da população asmática que apresenta outros tipos de características, dito fenótipos. 

“Entre eles, existe a asma grave eosinofílica, asma em que os eosinófilos, que são um tipo de glóbulo branco, influenciam a inflamação e na hiperresponsividade das vias aéreas, resultando em aumento da gravidade da asma e sintomas, diminuição da função pulmonar e aumento das hospitalizações e idas ao pronto socorro”, explica.

Encarando o inimigo certo

Especialistas vêm lançando um novo olhar sobre o tratamento da asma, especialmente a asma grave, considerada a variação mais crítica da doença, e que se não tratada corretamente pode levar à morte.

“A asma é uma doença heterogênea, ou seja, cada tipo necessita de um tratamento específico. Com a evolução da ciência e novas descobertas da medicina, desde a última década o desenvolvimento de medicamentos imunobiológicos, que atuam na causa do processo inflamatório, estão trazendo novas perspectivas e possibilitando um tratamento mais individualizado, garantindo menos efeitos colaterais aos pacientes”, esclarece a Dra. Angela Honda.

Ainda segundo a especialista, a asma mal controlada está diretamente associada à baixa qualidade de vida do paciente e impacta diretamente em suas atividades diárias. “Pacientes asmáticos sofrem perda de produtividade no trabalho e em diversas outras atividades do dia a dia, o que faz da doença uma das mais caras ao sistema de saúde”, afirma.

Com um tratamento individualizado, a comunidade médica passa a contar com novas alternativas no combate às variações da doença. Isto também traz ainda mais benefícios ao paciente, que entende como o processo inflamatório da asma manifesta-se no seu caso. "O paciente ganha mais autonomia para entender os caminhos do tratamento e, consequentemente, compreendende o quão importante é segui-lo de acordo com a prescrição médica, para conquistar mais qualidade de vida e não aumentar os riscos de torná-la mais grave", afima. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.