PARA ADOÇAR

Malefícios atribuídos ao açúcar podem ser causados pela frutose

Nos Estados Unidos, produtos de perfil mais saudável e natural já estão especificando no rótulo quando são adoçados com açúcar de cana, como um diferencial

12:43 · 26.03.2018
Frutas
Pesquisas recentes tem apontado que os malefícios à saúde atribuídos ao “açúcar” são na realidade preponderantemente observados no consumo exagerado da frutose ( Foto: Shutterstock )

Frente ao significativo aumento da obesidade e das doenças crônicas em escala mundial, investigações sobre os potenciais fatores que influenciam esse crescimento se multiplicam. No âmbito da alimentação, muitos ingredientes têm sido estudados, e alguns, como o açúcar, foram colocados na berlinda. Mas, de acordo com a nutricionista Marcia Daskal, “antes de apontar o dedo para o açúcar, dois pontos precisam ser elucidados”.

Diversos tipos de açúcares podem ser encontrados nos alimentos, tanto naturalmente quanto adicionados. Além do mel e do açúcar de cana (sacarose, açúcar, açúcar cristal, demerara, de confeiteiro, mascavo, branco e de mesa), edulcorantes (adoçantes diversos), frutose, xarope de malte, xarope de milho, xarope de milho com alto teor de frutose, xarope de glicose, dextrose, lactose, açúcar invertido,  glucose de milho, glicose, néctar, melado, melaço, caldo de cana, maltodextrina, açúcar líquido, maltose, são todos substâncias adoçantes que são utilizadas nos alimentos industrializados.

A indústria escolhe qual ingrediente ou combinação é mais interessante para cada produto. Os xaropes, por exemplo, conferem estabilidade, textura, cor, solubilidade e consistência, além de potencializar o sabor. Por isso são amplamente usados pela indústria, de produtos que vão de pães a ketchup, passando por bebidas e confeitos.

Justamente por terem a mesma função – adoçar – é que são todos chamados de açúcar. Assim, quando um estudo cita os efeitos do açúcar na saúde, estes ingredientes estão todos agrupados, ou seja, o açúcar citado nos estudos não é somente o açúcar de cana, aquele que usamos em casa, o do nosso açucareiro, mas sim ingredientes diversos, alguns disponíveis apenas para a indústria de alimentos.

Marcia Daskal explica: “aos poucos, os pesquisadores demonstram a preocupação em separar o joio do trigo: é preciso compreender os diferentes ingredientes que adoçam alimentos e ainda observá-los separadamente, para então chegar às conclusões corretas”. Pesquisas recentes tem apontado que os malefícios à saúde atribuídos ao “açúcar” são na realidade preponderantemente observados no consumo exagerado da frutose.

Metabolismo

Nos últimos anos, pesquisadores vêm estudando a contribuição do xarope com alto teor de frutose e observaram que, quando consumido de forma exagerada, pode gerar consequências negativas à saúde. Isso acontece por conta das características particulares do metabolismo da frutose, que, para ser absorvida, não precisa da insulina, como acontece com a glicose. Ou seja, a frutose é metabolizada de maneira diferente do que a glicose e outros carboidratos, sendo mais lipogênica que outros açúcares, isto é, se transforma em gordura mais facilmente.

A frutose está relacionada a rápidas modificações metabólicas ligadas à síndrome metabólica e a alterações cardiovasculares negativas, como menor resistência à insulina, aumento de ácido úrico, obesidade, diabetes tipo 2, elevação de lipídeos sanguíneos, aumento de volume de gordura visceral e esteatose hepática (gordura no fígado).

Um estudo do Departamento de Psicologia de Queens College, de Nova Iorque (2017), indicou que a frutose produz uma desregulação metabólica e pode até alterar a sinalização de dopamina (um neurotransmissor cerebral, cuja sinalização aparece reduzida na obesidade e pode estar relacionada ao comer em excesso e ao comer compulsivo), mesmo na ausência de obesidade.

Em vista das descobertas recentes, houve aumento no interesse sobre a contribuição dos xaropes, especialmente com alto teor de frutose, no aumento dos quadros de obesidade e problemas cardiometabólicos, já que seu consumo aumentou em paralelo ao crescimento das taxas de sobrepeso e obesidade.

Xaropes X açúcar de cana

“Embora a frutose seja o açúcar naturalmente presente nas frutas, não é com elas que precisamos nos preocupar, pois a frutose nas frutas vem naturalmente empacotada com fibras, vitaminas, minerais e outras substâncias benéficas, como os fitoquímicos. A grande preocupação é com a frutose isolada e com os xaropes, que podem causar alterações metabólicas indesejáveis, dependendo da sensibilidade do indivíduo”, diz a nutricionista Marcia Daskal.

 Ela ainda adverte sobre a importância de se entender quais opções contém mais índices do ingrediente, para então escolher os alimentos de forma mais consciente. “Ler rótulos é fundamental, e ao encontrar produtos adoçados, preferir os que privilegiam ingredientes naturais, como mel e açúcar de cana, do que os adoçados com xaropes”.

 “O Brasil é um país produtor de cana de açúcar. Por este motivo, muitos dos nossos produtos industrializados usam mais o açúcar do que o xarope. Assim, refrigerantes, sucos e outros alimentos feitos em fábricas brasileiras costumam ter uma composição mais interessante do que o mesmo produto na versão ‘gringa’, pois aqui se usa menos xaropes. Nos Estados Unidos, por exemplo, alguns produtos com perfil mais saudável e natural já estão especificando no rótulo quando são adoçados com açúcar de cana, como um diferencial. Essa tendência deve chegar em breve por aqui”, finaliza.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.