Impacto negativo

Inflamação durante a gravidez está associada ao desenvolvimento do cérebro do bebê, diz estudo

Pesquisa aponta que inflamações podem alterar a organização cerebral do recém-nascido, além de influenciar a memória da criança

13:00 · 10.04.2018
Gravidez
Em mulheres grávidas, inflamações mais graves podem aumentar os riscos de transtornos mentais ou de problemas no desenvolvimento do cérebro de bebês e crianças ( Foto: Divulgação )

Um novo estudo realizado na Universidade de Saúde e Ciência do Oregon, nos EUA, estabeleceu a ligação entre inflamações durante a gravidez e a maneira que o cérebro do recém-nascido é organizado. A pesquisa foi publicada nesta segunda-feira (9) na "Nature Neuroscience".

Os resultados desta pesquisa podem ajudar no desenvolvimento de novos tratamento que ajudem a impedir os impactos negativos no funcionamento do cérebro de bebês.

Inflamações são uma resposta natural do corpo à infecções. Em mulheres grávidas, inflamações mais graves podem aumentar os riscos de transtornos mentais ou de problemas no desenvolvimento do cérebro de bebês e crianças. Como, por exemplo, as infecções causadas pelo vírus da Zika, que pode causar a microcefalia.

O estudo foi feito com 84 grávidas e foram coletadas amostras de sangue de todas durante cada um dos trimestres da gravidez. As amostras foram analisadas para níveis de citonina interleucina-6, ou IL-6, um indicador de inflamação conhecido por estar presente na formação do cérebro do feto.

Quatro semanas após o nascimento, os pesquisadores analisaram imagens do cérebro dos bebês feitas através de ressonância magnética para avaliar as conexões cerebrais. Aos dois anos, as crianças também foram testadas para avaliar como estavam suas memórias, uma habilidade importante e que é frequentemente comprometida em casos de transtornos mentais.

Os resultadores de mães e filhos indicaram que diferentes níveis de inflamação durante a gravidez estavam diretamente associados com diferenças na comunicação do cérebro do recém-nascido, e mais tarde no desenvolvimento da memória aos 2 anos. Níveis mais altos de inflamação durante a gravidez tendiam a mostrar menos capacidade da criança de trabalhar a memória.

"Isso não significa que toda exposição a alguma inflamação vai resultar em um impacto negativo na criança. No entanto, estes resultados abrem novos caminhos para pesquisas e podem ajudar médicos e cientistas a pensar em como e quando uma inflamação pode afetar o desenvolvimento da aprendizagem e a saúde mental de uma criança a longo prazo", disse Alice Graham, especialista em neurociência comportamental da Universidade, em nota.

Ainda segundo a pesquisadora, durante o estudo foi possível desenvolver um modelo que pode afirmar com precisão a inflamação da mãe durante a gravidez baseado apenas na atividade cerebral do recém-nascido. Criado usando inteligência artificial, o modelo é baseado nos marcadores identificados no estudo e pode ser aplicado em casos além do grupo de pesquisa inicial.

"Este conhecimento os dá informações sobre o futuro do funcionamento da memória da criança aproximadamente dois anos depois, criando potencial para pesquisas que envolvam o tratamento mais cedo, se necessário", disse Graham em nota.

No futuro, os pesquisadores acreditam que os estudo devem focar em fatores antes e após o nascimento, como o ambiente social em que a família está inserida e a relação com o funcionamento do cérebro de recém-nascidos.

"Aumento do nível de estresse e má alimentação são considerados normais pelos padrões de hoje, mas impactam muito nos níveis de inflamação em todas as pessoas, não apenas grávidas", disse Damien Fair, líder do estudo feito pela universidade no Oregon, em nota. 

"Tão importante quanto entender como o sistema imunológico e as inflamações afetam o desenvolvimento do cérebro, também precisa ser entender que fatores comuns contribuem para a maiores níves de inflamação para que possamos focar em terapias que ajudem a reduzir estes impactos".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.