Dia Mundial de Combate à Obesidade

Excesso de peso gera riscos para a fertilidade do homem e da mulher

Obesidade atinge 30% das mulheres brasileiras em idade reprodutiva. Nos homens, o excesso de peso pode afetar a formação e a qualidade dos espermatozoides

09:29 · 11.10.2017
obesidade
A obesidade está associada a ciclos menstruais irregulares, problemas na ovulação e níveis elevados de hormônios masculinos ( Foto: Divulgação )

No dia 11 de outubro é comemorado o Dia Mundial de Combate à Obesidade. Considerada um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, a obesidade também é um dos fatores de risco para a fertilidade do homem e da mulher. O excesso de gordura pode afetar a ovulação e a qualidade dos espermatozoides, impedindo uma gestação de forma natural. Estar acima do peso gera problemas hormonais que afetam o processo reprodutivo, explica o ginecologista e especialista em Reprodução Humana, Dr. Luiz Eduardo Albuquerque, diretor da Fertivitro

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam um aumento de 75% nos casos de obesidade nos últimos 10 anos. A projeção é que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso e mais de 700 milhões serão obesos. Estudam revelam que a maioria da população do mundo vive em países onde o sobrepeso e a obesidade matam mais pessoas do que o baixo peso. Mudanças no estilo de vida e hábitos alimentares podem estar relacionados ao crescimento dos números. 

No Brasil, a obesidade vem crescendo cada vez mais, segundo a ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica). Alguns levantamentos apontam que mais de 50% da população está acima do peso, ou seja, na faixa de sobrepeso e obesidade.

Obesidade feminina e a infertilidade

De acordo com os dados do Ministério da Saúde, a obesidade e o excesso de peso (IMC maior ou igual a 25) atingem 30% das mulheres brasileiras em idade reprodutiva (de 16 a 45 anos). No Reino Unido, a obesidade afeta um quinto da população feminina, sendo que 18,3% dessas mulheres estão em idade reprodutiva. “Estar acima do peso gera problemas hormonais anormais que afetam o processo reprodutivo. Existe uma relação entre a obesidade e a ação da insulina (resistência periférica à insulina), liberada pelo pâncreas, que pode levar a uma condição de infertilidade, conhecida como Síndrome do Ovário Policístico (SOP)”, explica o médico ginecologista e especialista em Reprodução Humana, Dr. Luiz Eduardo Albuquerque, diretor da Fertivitro.

De acordo com o especialista, a obesidade está associada a ciclos menstruais irregulares, problemas na ovulação e anovulação (falha da ovulação) e níveis elevados de hormônios masculinos, diminuindo, dessa forma, as chances de gestação.

O excesso de gordura corporal influencia, ainda, na produção do hormônio liberador de gonadotropina (GnRH), essencial para regular a ovulação nas mulheres. Especificamente, o GnRH provoca a liberação dos hormônios Folículo Estimulante (FSH) e Luteinizante (LH), ambos responsáveis pela produção dos óvulos.

Infertilidade masculina

A doença gera, também, efeitos negativos nos homens, o que traz impactos no desenvolvimento embrionário e nas taxas de gravidez. Há muitas evidências de que a obesidade masculina implica, igualmente, na redução da fertilidade e na qualidade embrionária.

No homem de peso considerado normal, ou seja, dentro do índice de massa corpórea (IMC entre 18,5 e 24,9), existe um estímulo natural dos testículos por hormônios vindos da hipófise (chamados de LH e FSH), que induzem a produção da testosterona (hormônio masculino), bem como estimulam o amadurecimento das células que irão se transformar em espermatozoides. Para haver fecundidade masculina, é preciso que o número de espermatozoides a cada ejaculação atinja valores ideais.

Dr. Luiz Eduardo Albuquerque explica que, quando o homem chega a um peso muito acima do normal, elevam-se os níveis da enzima aromatase e, consequentemente, uma maior quantidade de testosterona é transformada em estradiol (hormônio feminino). E, assim, o excesso de estradiol irá bloquear a hipófise, diminuindo os estímulos para o testículo produzir testosterona e espermatozoides. “Esse excesso de estradiol pode induzir o aumento de mamas no homem, reduzir a libido, causar disfunção erétil e a infertilidade”, ressalta.

Pesquisas também comprovam que homens acima do peso possuem um índice maior de fragmentação do DNA do espermatozoide, o que pode gerar problemas na fertilização. “A integridade do DNA espermático é importante para o sucesso da fertilização e para o desenvolvimento embrionário normal”, explica Dr. Luiz.

Tratamentos

Se após um ano de tentativas para ter um filho de forma natural não ocorrer a gestação, o indicado é buscar ajuda nos tratamentos de reprodução assistida. “Antes de iniciar qualquer procedimento médico, o paciente fará uma série de exames para que o diagnóstico seja identificado e depois adotar o tratamento adequado”, esclarece Albuquerque.

Existem três tipos de tratamentos para a infertilidade: coito programado, cuja relação sexual é programada no período fértil; Inseminação Intrauterina (IIU), que consiste em selecionar os melhores espermatozoides e colocá-los dentro do útero, para facilitar o encontro do óvulo com os espermatozoides; e a fertilização in vitro (FIV), em que a fecundação dos gametas (óvulos e espermatozoides) é feita em laboratório.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.