Sensibilidade

Estudo investiga como coluna cervical pode influenciar dor nos ombros

A dor no ombro é uma das principais desordens musculoesqueléticas existentes, afirmam pesquisadores

11:00 · 19.02.2018
dor no ombro
Para participar do estudo sediado em São Paulo, estão sendo convidados voluntários de ambos os sexos, entre 18 e 80 anos, que tenham ou não dor nos ombros ( Foto: Divulgação )

Um novo estudo busca identificar se existem diferenças entre as avaliações da sensibilidade, amplitude do movimento e força da coluna cervical em pessoas com e sem dor nos ombros. A pesquisa da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) aponta a importância de se observar a área principalmente em pacientes que relatam desconforto. 

A pesquisa "Sensibilidade, amplitude do movimento e força da cervical em sujeitos com dor no ombro: estudo transversal de casos e controles" é realizada pelo doutorando Marcelo Rebelatto, no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia (PPGFt) da UFSCar.

De acordo com Rebelatto, a dor no ombro é uma das principais desordens musculoesqueléticas que afetam as pessoas, mas há dificuldades na avaliação e diagnóstico do problema. 

"No corpo humano existe uma relação de dependência entre as regiões anatômicas que pode confundir o diagnóstico e, consequentemente, comprometer o resultado do tratamento. A relação do ombro com a coluna cervical ainda conta com poucas evidências e, por isso, nosso estudo pretende explorar a influência da cervical em pacientes que tenham ou não a dor ombro", explica o pesquisador. 

Ele afirma que esse tipo de estudo é importante para auxiliar a prática clínica na melhor condução de tratamento. "Os nossos resultados permitirão uma caracterização mais aprofundada das dores no ombro a fim de melhorar a descrição das disfunções que nele se instalam e que podem gerar comprometimentos cervicais", afirma. 

Para participar do estudo, estão sendo convidados voluntários de ambos os sexos, entre 18 e 80 anos, que tenham ou não dor nos ombros, e que não tenham sofrido fratura ou cirurgia nos braços e pescoço. Os testes acontecem no Laboratório de Avaliação e Intervenção do Ombro, no Campus São Carlos da UFSCar em São Paulo. Interessados devem entrar em contato com os pesquisadores até o mês de junho pelo e-mail projetoombro@gmail.com. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.