Avanço

Estudo apresenta tratamento para acne com menos efeitos colaterais

A pesquisa descobriu que o Trifaroteno, que faz parte de uma nova classe de retinoides, é mais eficaz no tratamento tópico da acne com menos impacto negativo, como deixar a pele seca ou sensível

13:00 · 04.09.2018
Acne
A higienização da pele com acne deve ser feita regularmente, com uso de sabonetes (duas a três vezes ao dia) que tenham extratos calmantes e com ação adstringente e anti-inflamatória ( Foto: Divulgação )

O tratamento de acne, por muitas vezes, necessita da aplicação tópica de alguns ácidos ou retinoides, para ajudar na renovação celular e evitar que o excesso de gordura e queratina inflame mais a pele. O problema é que os retinoides podem ter efeitos colaterais indesejáveis, como pele seca e sensível. Mas um novo estudo publicado em agosto no British Journal of Dermatology descreve os benefícios de uma nova classe de retinoides chamada trifaroteno que é mais eficaz no tratamento tópico da acne e possui menos efeitos colaterais.

“Retinoides são derivados da Vitamina A e podem ajudar a pele. Eles evitam que as células mortas bloqueiem os poros, reduzem a inflamação e promovem a renovação celular saudável e esfoliação", diz a dermatologista Dra Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “Eles fazem isso ligando-se a receptores específicos (chamados de "receptores retinoides") na pele, que promovem esses efeitos”, afirma.

De acordo com a especialista, existem três tipos diferentes de receptores retinóides em todo o corpo. “Para que um retinoide funcione da forma mais eficaz, ele deve visar especificamente o receptor de retinóide mais comumente encontrado na pele (que é chamado de RAR-gama). Atualmente, esses ingredientes não diferenciam muito bem as classes disponíveis de retinoides e atingem pelo menos dois dos três tipos de receptores”, afirma a médica. Mas, segundo o estudo, o trifaroteno é capaz de se tornar super direcionado, atingindo apenas o receptor mais comumente encontrado em sua pele. Estudos clínicos ainda estão apenas nos estágios preliminares neste momento. 

Apesar dos resultados promissores, ainda não é possível obter trifaroteno nas farmácias e produtos industrializados, já que a nova droga tópica ainda está sendo avaliada pela Food and Drug Administration (FDA) e não tem previsão de chegada ao Brasil. Enquanto isso, os tratamentos convencionais, orientados pelo dermatologista, continuam a surtir efeitos benéficos.

Tratamentos

“Quando se fala em tratamento, o primeiro passo é propor uma rotina investigativa para descobrir se há histórico familiar, se tem origem na adolescência (uma abordagem diferenciada), ou se é acne da mulher adulta (mais comum, mas o homem também pode ter), por estresse”, diz a médica.

Com relação aos tratamentos, a dermatologista explica que além do uso da Isotretinoína, antibióticos por via oral e o uso dos probióticos, alternados com os ácidos com a vitamina C, nicotinamida e azeloglicina, e Vitamina A ácida ou alfa e beta-hidroxiácidos, é possível utilizar o Hidroxitirosol por via oral e tópica.

“Trata-se de uma substância que é usada com sucesso hoje em dia, que ajuda muito no controle inflamatório da patologia”, afirma a dermatologista. A médica indica também o uso de peróxido de benzoíla à noite para ajudar a secar as espinhas e diminuir a inflamação, associado à clindamicina. Substâncias anti-inflamatórias como cobre, zinco e extratos anti-inflamatórios como aveia coloidal, alfa-bisabolol também devem ser usadas.

Além disso, a utilização do LED de luz azul também é bem-vinda. “Esse recurso tem uma ação bacteriostática muito importante, que faz um controle cicatricial, anti-inflamatório e com melhora da pigmentação, que invariavelmente permanece, quando uma lesão perdura por mais tempo”, afirma. Outra opção para complementar esse tratamento, segundo a médica, é usar a luz infrared – que tem um potencial cicatricial, calmante e anti-inflamatório.

Quando surgem as cicatrizes, outro problema estético que mexe com a autoestima e é comum em quem teve acne por muito tempo, o microagulhamento de ouro com radiofrequência também é uma opção que propicia resultados eficazes. 

“O tratamento com microagulhamento não tira o paciente da rotina e é pouco doloroso. Com isso, é feito o reparo e estimulação desse colágeno que foi danificado pelo próprio processo inflamatório que destruiu o tecido de boa qualidade local”, afirma. O microagulhamento, segundo a dermatologista, é ideal para tratar casos de cicatrizes profundas ou superficiais. O laser CO2 também pode ser usado para tratamento das cicatrizes.

Outros cuidados

A higienização da pele com acne deve ser feita regularmente, com uso de sabonetes (duas a três vezes ao dia) que tenham extratos calmantes e com ação adstringente e anti-inflamatória. Os ativos mais indicados são: Acneol SR (que pode ser encontrado nas farmácias de manipulação), extrato de Hamamélis, o Cobre e o Zinco. A dermatologista lembra que as peles com acne precisam ser sempre hidratadas. 

“É importante usar hidratante e filtro solar para formar uma barreira contra os agressores, que são o calor, a luz solar infravermelha, a luz visível, as mudanças de temperatura e exposição ao ar condicionado. Tudo isso leva a uma mudança e estímulo da produção de óleo na tentativa de compensar a agressão que a pele está sofrendo”, destaca. Além disso, a médica ressalta a importância do acompanhamento nutricional. “O paciente deve fazer o controle alimentar e aumentar a ingestão hídrica, além de reduzir os índices glicêmicos dos alimentos, diminuindo o consumo de açúcar e de hidrato de carbono”, finaliza.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.