Em cinco anos

Entidade americana antecipa recomendação para rastreamento de câncer colorretal

Estudo mostra que nascidos nos anos 1990 terão o risco dobrado para o câncer no cólon e quadriplicado para tumor no reto. Sociedade Brasileira de Coloproctologia pretende adotar mesma indicação

16:00 · 27.06.2018
Câncer
Levantamento realizado pela Sociedade Americana de Câncer apontou crescimento de câncer colorretal em jovens adultos ( Foto: Divulgação )

Seguindo a nova orientação da Sociedade Americana de Câncer, a Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP) trabalha para atualizar sua recomendação do rastreamento de câncer colorretal a partir dos 45 anos para pessoas sem histórico de tumor na família ou pólipo no intestino. Antes, a recomendação mundial era a partir dos 50 anos

A nova medida tem como base levantamento realizado pela entidade americana que apontou crescimento de câncer colorretal em jovens adultos e visa a aumentar as chances de cura – quando os tumores são encontrados em fases iniciais ou até mesmo quando ainda são pólipos (antes de se tornarem câncer). No estudo, a Sociedade Americana concluiu que nascidos nos anos 1990 terão o risco dobrado para câncer no cólon e quadriplicado para tumores no reto, quando comparados a pessoas nascidas nos anos 1950.

“A SBCP costuma avaliar e, em algumas situações, adaptar as diretrizes internacionais relacionadas à coloproctologia. Nossa intenção é fazer o mesmo em relação a esta do câncer colorretal, pois são frequentes, entre os nossos associados, comentários sobre o evidente aumento na incidência de câncer colorretal na nossa prática diária”, explica o presidente da SBCP, Dr. Henrique Fillmann.

A recomendação atual da SBCP é que pessoas sem histórico de câncer colorretal na família procurem o coloproctologista para realização do exame de sangue oculto nas fezes e/ou da colonoscopia a partir dos 50 anos. Se houver casos na família, esse acompanhamento deve ter início 10 anos antes da idade do diagnóstico familiar. Pessoas que tenham histórico de doença inflamatória intestinal na família também devem procurar o médico nesse período. De acordo com as estimativas do Inca para 2018/2019, o câncer colorretal deve atingir 36.360 pessoas.

Pessoas em bom estado de saúde e com mais de dez anos de expectativa de vida devem manter os exames periódicos até 75 anos. A partir dessa idade a recomendação é discutir com o médico a continuidade da realização de exames regulares.

Sinais

Segundo a SBCP, é preciso estar atento a sintomas como: mudança prolongada nos hábitos intestinais, sangramento, fezes escuras ou com sangue, fraqueza e perda de peso. Prevenção

Para diminuir os riscos de câncer no intestino, as recomendações são: comer diariamente frutas, vegetais, cereais; diminuir o consumo de carne e alimentos processados; praticar atividade física regularmente; manter o peso sob controle; não fumar e evitar a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.