Diagnóstico e tratamento

Entenda as diferenças entre câncer infantil e adulto

Atualmente, o câncer representa a segunda principal causa de morte entre crianças e adolescentes no Brasil

15:00 · 10.05.2018
câncer
Uma parcela significativa da população não sabe que tanto o diagnóstico quanto o tratamento do câncer infantil são bem diferentes do câncer em adultos ( Foto: Divulgação )

A notícia de um diagnóstico de câncer nem sempre é esperada. Quando não tratada e acompanhada corretamente, a doença tem impactos turbulentos na vida de um indivíduo. Atualmente, o câncer representa, no Brasil, a segunda principal causa de morte entre crianças e adolescentes, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), atrás apenas de causas externas, como acidentes e violência. Ainda assim, uma parcela significativa da população não sabe que tanto o diagnóstico quanto o tratamento do câncer infantil são bem diferentes do câncer adulto.

Normalmente, a doença em adultos tem suas causas mais facilmente estabelecidas, podendo apresentar mutações devido a fatores ambientais, como o tabagismo e a exposição ao sol, enquanto as causas do câncer infantil são mais difíceis de determinar.

Os tipos que mais acometem as diferentes faixas etárias também não se assemelham e aqueles que são comuns na faixa etária pediátrica, são mais raros em adultos e vice-versa: de acordo com o INCA, as leucemias, linfomas e tumores do sistema nervoso central (SNC) são mais comuns em crianças, já o câncer de pele, próstata, cólon e reto representam maior incidência entre adultos.

O avanço do câncer infantojuvenil pode se dar de forma bem mais agressiva do que em um adulto, por exemplo, pois as células da criança ainda estão em desenvolvimento. No caso, a divisão celular acontece em velocidade muito maior – por esse motivo, as células do tumor se multiplicam mais rapidamente.

Além disso, o diagnóstico é bem mais complexo. Vivane Sonaglio, oncologista pediátrica e membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE) explica que as crianças apresentam sintomas que, a princípio, parecem de outras doenças comuns, o que dificulta o reconhecimento de um câncer. 

“Os sinais são muito inespecíficos. É complicado pensar no diagnóstico, pois, normalmente, a criança pode ter febre, ínguas, dor nos membros, dor na barriga e manchas roxas, que são sintomas muito comuns na infância”, comenta.

Para Viviane é preciso estar atento à persistência dos sintomas e eventuais adversidades. “No câncer, a febre não tem um padrão: pode aparecer em qualquer período do dia, ser alta ou baixa e, normalmente, apresenta um quadro progressivo. As manchas podem surgir em regiões que não são de trauma. É preciso ficar atento em sintomas como: inchaços, aumento do fígado, baço, volume da barriga e dores ósseas que não melhoram com medicação”, explica a oncologista.

Por outro lado, crianças e adolescentes com câncer respondem mais rapidamente ao tratamento do que adultos. Porém, em ambos os casos é preciso estar atento aos sinais e à importância do diagnóstico precoce. “Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menos intenso será o tratamento ao qual a criança será submetida e maior será sua chance de cura”, finaliza Viviane.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.