Inflamação

Dor nas costas pode ser espondilite

Especialistas alertam sobre a importância do diagnóstico precoce e a eficácia do tratamento no alívio da dor, melhora da função, mobilidade e qualidade de vida

08:00 · 07.05.2018
Espondilite
A causa da espondilite ainda é desconhecida, mas sabe-se que a doença é mais frequente em pessoas que herdam um gene - o HLA-B27 ( Foto: Divulgação )

No dia 7 de maio, é comemorado o Dia Mundial da Espondilite Anquilosante, uma doença inflamatória crônica, que afeta cerca de 150 mil pessoas no Brasil e tem como principal sintoma a dor nas costas que persiste por mais de três meses. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), oito em cada dez pessoas terão um episódio de dor nas costas pelo menos uma vez na vida. 

A espondilite se caracteriza pela inflamação das regiões próximas às articulações, que são denominadas enteses (ou ponto de ancoragem de tendões e ligamentos aos ossos), tais como a região sacroilíaca, coluna vertebral, tendão de Aquiles, quadris, ombros, entre outros. Outros sinais de alerta para a enfermidade são a uveíte (inflamação da região colorida do olho), a psoríase (doença descamativa e inflamatória da pele) e a colite (inflamação do intestino).

O diagnóstico da doença é realizado a partir da identificação de um conjunto de sintomas, bem como com o auxílio de exames de imagem (radiografia e ressonância magnética) e marcadores do sangue, como o gene denominado HLA-B27 e proteínas do sangue que medem a inflamação. 

O atraso do diagnóstico é muito frequente nessa doença, com média de 9 anos. Assim, a busca do diagnóstico precoce, antes das alterações estruturais ocorrerem é fundamental para o sucesso do tratamento, que promove alívio da dor, melhora das funções, mobilidade e da qualidade de vida, evitando as sequelas da incapacidade física e deformidades.

“O tratamento será determinado de acordo com a gravidade da doença e pode variar desde a prática de atividades físicas até a terapia imunobiológica”, esclarece o reumatologista Marcelo de Medeiros Pinheiro, membro da Sociedade Brasileira de Reumatologia. Ele explica que, ao contrário das dores comuns, na espondilite, o incômodo melhora com a prática de exercícios e piora com o repouso, causando mais episódios de dor durante a noite e rigidez matinal na coluna.

A causa da espondilite ainda é desconhecida, mas sabe-se que a doença é mais frequente em pessoas que herdam um gene - o HLA-B27  (um receptor de membrana da célula) , quando comparadas com aquelas que não possuem esse marcador genético. Além disso, afeta três vezes mais os homens do que as mulheres e surge normalmente entre os 20 e 40 anos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.