Dieta sem glúten pode ter efeito colateral

Estudo de Havard mostrou que, ao se reduzir o consumo da proteína, aumenta-se a chance de desenvolver diabetes

10:03 · 16.03.2017
gluten
Estudo indica que pessoas que eliminaram o glúten da dieta estão mais propensas a desenvolver diabetes tipo 2 ( Foto: Divulgação )

O glúten, proteína presente em cereais como trigo, centeio e cevada, assumiu o posto de vilão da saúde e da dieta ao longo do tempo. Após diversas celebridades, como a atriz Gwenethy Paltrow, a estilista Victoria Beckham e adeptos da onda “fitness” atribuírem seus corpos magros à dieta sem glúten, especialistas iniciaram um movimento para provar que a substância era prejudicial à saúde e à boa forma. No entanto, agora começam a aparecer os primeiros estudos sobre os “efeitos colaterais” dessa moda.

Pesquisadores da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, concluíram que pessoas que eliminaram o glúten da dieta estão mais propensas a desenvolver diabetes tipo 2. A proteína de fato pode ser prejudicial ao organismo, mas, comprovadamente, apenas entre aqueles que sofrem de doença celíaca (intolerância ao glúten que afeta uma em cada 200 pessoas no mundo). No entanto, muitas pessoas sem o problema começaram a seguir uma dieta ‘gluten free’ (sem glúten) acreditando que seria a melhor opção para a saúde e forma física.

Com o objetivo de avaliar se o consumo de glúten afetava a saúde das pessoas que não tinham a doença celíaca, mas insistiam em eliminá-lo da alimentação, Geng Zong, pesquisador do Departamento de Nutrição da Escola de Saúde Pública de Harvard, analisou o consumo de glúten e a saúde de 200.000 pessoas, acompanhadas durante 30 anos. Nesse período, foram descobertos mais de 15.000 casos de diabetes tipo 2 entre os participantes.

Conclusões 

Os resultados mostraram que quem consumiu mais de 12 gramas de glúten por dia, tinha menos risco de desenvolver diabetes tipo 2. Quem tirou a proteína da dieta, acabou consumindo menos fibras, e consequentemente, aumentou a predisposição para diabetes. 

“Alimentos sem glúten geralmente têm menos fibra e outros micronutrientes, o que os torna menos nutritivos, além de custarem mais. Pessoas sem doença celíaca deve reconsiderar a decisão de limitar seu consumo de glúten principalmente no que diz respeito à prevenção de  doenças crônicas como o diabetes.”, disse  Zong.

Alimentação

Pessoas que retiram o glúten da dieta, tendem a substituir seu consumo pelo de outros alimentos como arroz, por exemplo, que é um alimento refinado. Esse é o problema. As pessoas comem mais arroz e seus derivados, como farinha e biscouto de arroz. O arroz é um alimento refinado, e, como tal, aumenta o risco de diabetes.

O diabetes tipo 2 ocorre quando o organismo de uma pessoa torna-se resistente à insulina, o hormônio que controla os níveis de glicose no sangue. Para diminuir o risco de diabetes, em uma dieta com ou sem glúten, os nutricionistas recomendam sempre optar por alimentos integrais e evitar industrializados.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.