NA GESTAÇÃO

Consumo de tabaco traz consequências para a mãe e o bebê

Pesquisa realizada nos Estados Unidos mostra que 12% a 24% das mulheres continuam fumando durante a gravidez

09:00 · 08.09.2017

Todos sabem que o cigarro é prejudicial à saúde. Na gravidez ele é ainda mais perigoso, podendo causar diversos danos não só a mãe, mas também ao bebê. Apesar de todas as informações, uma pesquisa realizada nos Estados Unidos revelou que 12% a 24% das mulheres continuam a usar o tabaco durante o período gestacional. 

Segundo o ginecologista responsável pela área de reprodução humana da Criogênesis, Dr. Renato de Oliveira, quando a grávida fuma um cigarro, os componentes tóxicos chegam até os pulmões e são liberados para a corrente sanguínea. “O coração bombeia o sangue para todo o corpo da mãe, inclusive para o feto, e a placenta, por sua vez, não consegue impedir a passagem dessas substâncias. Desta forma, o bebê absorve as toxinas do sangue da mãe e recebe o monóxido de carbono presente na fumaça do cigarro”, alerta. 

O conhecimento dos malefícios do tabagismo durante a gestação é fundamental para uma abordagem direcionada e com maior probabilidade de sucesso. Para isso, Dr. Renato separou abaixo cinco razões para abandonar o cigarro e garantir uma gravidez saudável. 

Risco de trombose 

A nicotina causa estreitamento dos vasos sanguíneos. Esse fato, alinhado à pressão natural que a útero gravídico causa nos vasos sanguíneos, principalmente nas pernas, dificulta a circulação e aumenta o risco de trombose, que é a formação de coágulos dentro destes vasos.

Aborto

Mulheres fumantes correm risco maior de sofrer aborto natural durante os três primeiros meses da gestação, pois as substâncias químicas do cigarro podem elevar os riscos de descolamento da placenta, provocar sangramentos e impedir a chegada de oxigênio ao bebê.

Parto prematuro

A nicotina pode inibir o transporte de oxigênio e nutrientes para o feto, provocando parto prematuro.

Problemas respiratórios

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, filhos de mães fumantes têm a capacidade pulmonar duas vezes menor do que bebês de gestantes que não fumaram durante a gravidez.Pesquisa publicada no American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, revelou que crianças expostas ao tabaco, principalmente no primeiro trimestre de gestação, eram mais propensas a sofrer de asma ou chiados no peito em idade pré-escolar. Eles notaram, ainda, que o risco de asma aumentava na medida em que o feto havia sido mais exposto à fumaça do cigarro.

Deficiências

Bebês de mães fumantes também correm maior risco de nascer com defeitos e doenças congênitas. Estudos recentes apontam que filhos de mulheres fumantes apresentam menor volume cerebral, com redução de massa branca, responsável pelo processamento das emoções, atenção e decisão, e massa cinzenta, que envolve o controle muscular, emoções, fala e memória.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.