Vitaminas e minerais

Consumo de chocolate pode reduzir o colesterol

Enquanto o chocolate ao leite e branco podem piorar problemas vasculares, o chocolate amargo tem baixo teor de gorduras e melhora a circulação

15:00 · 02.07.2018
chocolate
O chocolate com, no mínimo, 70% de cacau tem efeitos anti-inflamatórios, propriedades antioxidantes e atividades antiplaquetárias ( Foto: Divulgação )

O Dia Mundial do Chocolate é comemorado em 7 de julho, mas mesmo que em está de dieta não precisa deixar essa data passar em branco. Porém, deve-se fazer boas escolhas. “O chocolate pode, sim, ser uma boa opção desde que você saiba consumir no tipo certo, com a concentração ideal de cacau e na porção diária correta”, explica a angiologista Dra. Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Segundo a médica, uma barra de chocolate pode ter vários componentes, como cacau, açúcar, gorduras e até oleaginosas como avelã, nozes e castanhas, que são fontes de vitaminas e minerais. “A concentração de cada um desses ingredientes é o que vai determinar o benefício ou malefício para o consumo”, afirma. A médica cita abaixo as diferenças principais entre os ovos de páscoa:

Chocolate ao leite

Sem quantidade significativa de cacau, o chocolate ao leite não traz benefícios à saúde. E os exageros são perigosos: O açúcar está relacionado com a obesidade e com a diabetes mellitus. Estudos mais recentes vêm apontando o carboidrato, o açúcar, como grande vilão também para o aumento de colesterol.

"Com o diabetes, podemos desenvolver problemas arteriais, causar um espessamento e acúmulo de placas de gordura dentro da parede das artérias, o que pode causar seu entupimento. Dependendo de qual lugar do corpo isso acontece (de qual artéria foi afetada), você pode manifestar um infarto, um derrame ou com aquele problema de claudicação – que é quando você vai caminhar e tem dificuldade de andar porque falta sangue nas pernas”, afirma.

A gordura também favorece o aumento do colesterol e um processo de aterosclerose. “O grande problema da lesão arterial principalmente é que às vezes é uma questão silenciosa: o colesterol aumentado pode não dar sintoma nenhum, só que aos poucos vai entupindo a sua artéria. Então às vezes a sua primeira manifestação vai ser um infarto ou um derrame, então você não tem muito o que fazer para prevenir. Eu falo que é uma doença que vem silenciosa e quando se manifesta já causa um problema sério”, alerta.

Amargo

O chocolate com, no mínimo, 70% de cacau tem efeitos anti-inflamatórios, propriedades antioxidantes, atividades antiplaquetárias, com melhora da função vascular e, além disso, está ligado, segundo estudos, a uma melhora na disposição, funcionamento cerebral e redução da vontade de comer doces. “Ele atua contra os danos no DNA celular, tem ação vasodilatadora e previne a formação de placa de gordura dentro das artérias”, explica a médica.

“Por conta dos flavonoides presentes no cacau – e sua ação antioxidante com benefícios comprovados para a circulação, há a redução dos riscos de doenças vasculares, redução do mau colesterol (LDL) e aumento discreto do bom (HDL), além da diminuição do risco de doenças vasculares e melhora no envelhecimento da pele”, afirma. Mas atenção: a porção diária recomendada é de 30g ao dia, portanto uma barra pode ser ingerida, em média, em uma semana para aproveitar ao máximo os benefícios.

Meio Amargo 

Com concentração significativa de cacau (acima de 40%), o chocolate meio amargo tem mais açúcar que a versão amarga, mas também traz benefícios antioxidantes. “É uma opção interessante e mais saborosa para quem não gosta do chocolate amargo. As versões com avelã, nozes ou castanhas fornecem vitaminas e minerais importantes, que têm ação antioxidante e melhoram a circulação sanguínea.” Também é necessário ficar de olho na porção diária, também de 30g.

Branco

Produzido com manteiga de cacau, a gordura obtida das sementes durante a fabricação do chocolate, o chocolate branco é mais calórico e rico em gorduras. Mas cuidado, alguns chocolates brancos sequer têm algum resquício de cacau na composição.

“Esses são produzidos apenas com óleos vegetais hidrogenados, cujo consumo resulta no aumento dos níveis do mau colesterol (LDL) e na redução do bom colesterol (HDL). Por isso, mesmo se você optar por esse tipo de chocolate, vale a pena dar uma olhada no rótulo”, afirma. Como é rico em açúcar e gordura, o chocolate branco também favorece a inflamação, o que pode retardar a circulação e colaborar para o aparecimento de doenças circulatórias.

Diet

Os chocolates Diet também apresentam um risco, pois apresentam maior quantidade de gordura. Com oleaginosas – apesar de adicionar mais calorias ao chocolate, as castanhas, nozes, avelã e o amendoim, entre outros, são ricos em ômega 3, que favorecem o sistema circulatório e melhoram a qualidade da circulação, "porque esse ômega diminui o colesterol ruim e aumenta o colesterol bom."

“No caso das barras de chocolate com esses componentes, tudo vai depender do tipo de chocolate, mas com certeza as oleaginosas podem ‘enriquecer’ o benefício nutricional do produto”, finaliza.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.