Dia Mundial da Visão

Cegueira poderia ser evitada em 80% dos casos

Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) lista cuidados necessários com os olhos em cada fase da vida

13:00 · 05.10.2017
olhar
Durante a adolescência e a puberdade, com frequência são diagnosticados os problemas refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia) ( Foto: Divulgação )

O Dia Mundial da Visão é celebrado no dia 12 de outubro e o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) chama atenção da população para a prevenção como melhor forma de evitar a cegueira, destacando os cuidados com a visão. No Brasil já existem mais de 1,2 milhões de pessoas cegas, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que até 80% dos casos de cegueira pelo mundo poderiam ser evitados ou tratados.

A cegueira, atualmente, afeta 36 milhões de pessoas em todo o mundo, e em 2050 a estimativa é que esse número chegue a 115 milhões segundo estudo publicado da revista Lancet, na edição de agosto. Na pesquisa, os números mostram ainda que a quantidade de pessoas com visão comprometida, entre os níveis moderado e grave, chegará a 588 milhões ao longo dos próximos 30 anos, atualmente 217 milhões de pessoas sofrem com esses níveis de problema na vista.

Para a data, o Conselho listou os cuidados com a saúde ocular em cada fase da vida: 

Antes do nascimento

Rubéola e toxoplasmose podem causar cegueira e problemas neurológicos na criança, por isso o acompanhamento pré-natal e a realização de sorologias são imprescindíveis.

Após o nascimento

Ao nascer, a criança enxerga pouco e a visão vai se desenvolvendo no decorrer dos anos. Qualquer doença ocular ao nascimento, como a catarata e o glaucoma, pode prejudicar totalmente este desenvolvimento. O teste do reflexo vermelho, também chamado de “teste do olhinho”, deve ser realizado ainda na maternidade. Ele é capaz de detectar estas e outras doenças, às vezes gravíssimas, como o retinoblastoma (um tipo de câncer ocular) precocemente. Além disso, o bebê que lacrimejar muito, tiver mancha branca na menina dos olhos (pupila), olhos anormalmente grandes, ou ainda que não suporte a claridade, deve ser levado ao oftalmologista.

Durante a infância 

A visão se desenvolve durante a infância, alcançando a maturidade por volta dos cinco anos de idade. Por isso, é muito importante que problemas de visão sejam tratados o quanto antes. Com o início da vida escolar, é possível perceber a presença de problemas refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia) que podem prejudicar o aprendizado. Outro problema importante que precisa ser corrigido ainda na infância é a ambliopia, ou “olho preguiçoso”. 

É uma situação na qual a visão não se desenvolve plenamente em um dos olhos, embora sua aparência seja normal. Com o passar do tempo, o cérebro ignora as imagens que vem desse olho “fraco”, de tal forma que ele perde a visão. O portador de ambliopia tem dificuldade para perceber distâncias e profundidade, além de correr riscos de cegueira total, caso venha algum dia a perder a visão de seu olho saudável. “A ambliopia pode ser curada se o tratamento for realizado antes que a visão tenha atingido a maturidade. Por isso, mesmo que não apresente aparentemente nenhum problema de visão, a criança deve ser examinada por um oftalmologista em seus primeiros anos de vida”, ressalta Homero Gusmão de Almeida.

Adolescência

Durante a adolescência e a puberdade, com frequência são diagnosticados os problemas refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia). Entre os 13 e 20 anos, as pessoas estão sujeitas ao aparecimento do ceratocone, uma doença que provoca irregularidade da córnea, às vezes acompanhado pelo hábito de coçar excessivamente os olhos. Muitas vezes o ceratocone não é percebido pelos adolescentes, pois os sintomas (aumento da sensibilidade à luz e baixa da qualidade de visão, mesmo com o uso de óculos ou lentes de contato) são pouco percebidos por eles.  

Apesar de não ter cura, os tratamentos disponíveis podem melhorar a visão, estabilizando o problema e reduzindo a deformidade da córnea. “Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, melhor é o resultado do tratamento. Por isso, adoles centes devem ser submetidos a uma consulta oftalmológica, mesmo que não apresentem queixas”, destaca o presidente do CBO.

Vida adulta

Queixas como sensação de vista cansada, coceira nos olhos, dificuldade para focalizar imagens e lacrimejamento são as mais comuns em adultos que procuram o atendimento oftalmológico. Além da presbiopia (ou vista cansada), caracterizada pela dificuldade de focalizar objetos próximos, outros problemas mais frequentes a partir dos 40 anos são: catarata, glaucoma e retinopatia diabética. Os sintomas do glaucoma costumam aparecer somente quando a doença está em fase avançada. 

Se a doença não for tratada, pode levar à cegueira. Aproximadamente 85% das cataratas são classificadas como senis, conectadas ao processo de envelhecimento, com maior incidência na população acima de 50 anos. As pessoas que têm diabetes apresentam um risco de perder a visão 25 vezes maior do que as demais. 

Para que isso não aconteça, os diabéticos devem passar rotineiramente por uma consulta oftalmológica. Pela importância da doença, CBO propôs e deve coordenar a realização de audiência pública na Comissão de Assistência à Saúde do senado federal, com objetivo de apresentar aos parlamentares os problemas vivenciados nos serviços públicos, na atenção ao paciente diabético.

Após os 65 anos 

A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) causa baixa visão central, dificultando principalmente a leitura. Os danos à visão central são irreversíveis, mas a detecção precoce e os cuidados podem ajudar a controlar alguns dos efeitos da doença.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.