Estudo

Calçados com solado geométrico ajudam a controlar dores nas costas

Os resultados estão ligados ao aumento da atividade muscular no tronco e a amplitude de movimento da coluna

08:00 · 31.05.2018
Sapato
Sapatos ou tênis com solado plataforma, em formato de balanço, podem ajudar a fortalecer os músculos da coluna ( Foto: Divulgação )

Você já deve ter ouvido falar que alguns sapatos podem causar ou piorar problemas nos joelhos, pés, costas e quadris. Entre os vilões da saúde musculoesquelética estão os chinelos, as sapatilhas, as rasteirinhas e os sapatos de salto alto. Mas, a novidade é que um estudo que acaba de ser publicado na revista científica Clinical Rehabilitation mostrou que sapatos ou tênis com solado plataforma, em formato de balanço, podem ajudar a fortalecer os músculos da coluna, contribuindo para melhorar as dores na região lombar.

A explicação dos pesquisadores é que este tipo de calçado força a pessoa a manter o equilíbrio e a estabilidade ao caminhar, melhorando assim a força dos músculos que sustentam a coluna. Portanto, a escolha correta do sapato pode fazer a diferença para a coluna. Mas, a melhora depende da quantidade de horas que a pessoa usa o calçado por dia. 

Para a fisioterapeuta Walkiria Brunetti, os resultados do estudo estão ligados ao aumento da atividade muscular no tronco e na região lombar e a amplitude do movimento da coluna que foram maiores no grupo que usou os sapatos durante a pesquisa. 

“Hoje, um dos métodos mais eficazes para dar estabilidade à coluna e reduzir as dores nas costas é o Pilates, que atua fortalecendo os músculos que sustentam a coluna, aumentado a amplitude de movimento, melhorando a postura, entre outros benefícios”, diz Walkiria.

“De qualquer maneira eu sempre reforço para os pacientes que a escolha do sapato faz toda a diferença para a saúde musculoesquelética. Ao escolher andar somente de sapatilha ou de rasteirinha, por exemplo, a mulher pode desenvolver uma série de problemas, desde fascite plantar até uma lombalgia".

Chinelo

Walkiria explica que sandálias ou chinelos sem alças atrás do calcanhar não dão sustentação para os tornozelos, por exemplo. “Com isso, há um risco maior de torcer o pé. Além disso, sapatos sem apoio para o arco plantar causam muita pressão na fáscia (tecido que liga o calcanhar aos dedos dos pés). Com o tempo, pode levar a um quadro de fascite plantar”. 

Outro movimento comum em quem usa muito chinelo ou rasteirinhas é curvar os dedos dos pés para dentro durante a caminhada para segurar o calçado. É um esforço repetitivo que pode levar a lesões como tendinite e dores na coluna, segundo Walkiria.

Os calçados usados no estudo não são nenhuma novidade. Eles surgiram por volta de 2010 e viraram moda, porém não são mais vendidos no Brasil, embora possam ser importados por meio de sites. “O que temos de mais parecido aqui no Brasil hoje é um tênis de uma marca norte-americana para corredores profissionais ou ainda para fazer caminhadas. A tecnologia é chamada de meta-rocker e a sola tem um formato geométrico que proporciona melhor impulsão e conforto”, comenta.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.