'Coração fraco'

Até 2030, mais de 8 milhões de pessoas terão insuficiência cardíaca

Segundo cardiologista, o aumento da expectativa de vida, aliado à redução das mortes por infarto, contribuem para que o número cresça

13:00 · 31.05.2018 / atualizado às 19:05

De acordo com a Associação Americana do Coração, a prevalência de casos de insuficiência cardíaca - o popular coração fraco - aumentará 46% até 2030, o que equivale a mais de 8 milhões de pessoas com mais de 18 anos vítimas da doença em todo o mundo.

O cardiologista Marcelo Sampaio afirma que esse prognóstico é mundial e também se aplica ao Brasil. "O aumento da expectativa de vida, aliado à redução das mortes por infarto, contribuem para que o número de pessoas com insuficiência cardíaca cresça. Por isso, é fundamental discutirmos a prevenção, diagnóstico e novos tratamentos disponíveis, já que a insuficiência é hoje a principal causa de reinternação e óbito em idosos cardiopatas", destaca. 

Marcelo Sampaio ainda acredita que novos mecanismos possibitaram a prevenção da doença, como os marcadores biológicos e aplicativos de apoio ao diagnóstico e tratamento. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.