Diagnóstico avançado

Anvisa aprova novo medicamento para câncer de mama

Já comercializado nos EUA e na Europa, ibrance (palbociclibe) é indicado para mulheres com tumores que crescem em resposta ao estrogênio

16:30 · 05.02.2018
ibrance (palbociclibe)
Ibrance está indicado, em combinação com o fármaco letrozol, como tratamento de primeira linha para pacientes em pós menopausa que não receberam tratamento sistêmico anterior ( Foto: Divulgação )

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o medicamento ibrance (palbociclibe) que atua no tratamento de mulheres com câncer de mama avançado do tipo estrogênio receptor positivo (ER+) e HER2-. Ou seja, a nova terapia direciona-se à pacientes com tumores que crescem em resposta ao hormônio estrogênio e que não estão relacionados à proteína HER2.

“A aprovação de Ibrance representa um passo muito importante para as brasileiras, como forma de aproximá-las de uma terapia inovadora que tem sido amplamente utilizada em outros países”, diz o diretor médico da Pfizer, Eurico Correia. “Se no passado as perspectivas eram limitadas para essas mulheres, hoje podemos pensar em um cenário de controle da doença e de manutenção da qualidade de vida, mesmo quando o diagnóstico ocorre em estágio avançado, uma situação que é comum no Brasil”, completa.

Ibrance está indicado, em combinação com o fármaco letrozol, como tratamento de primeira linha para pacientes em pós menopausa que não receberam tratamento sistêmico anterior para a doença em estágio avançado. Já em associação com fulvestranto, o medicamento é indicado para mulheres em pré ou pós menopausa com câncer de mama avançado nas quais a doença tenha progredido durante ou após terapia endócrina.

Metástase

O diagnóstico precoce é importante para reduzir o risco de metástase em mulheres com câncer de mama, mas até 30% das pacientes evoluem com progressão da doença e aparecimento de metástases mesmo que a enfermidade tenha sido detectada precocemente, o que evidencia a importância de opções terapêuticas capazes de satisfazer essa necessidade médica e beneficiar as pacientes.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.