Carnaval

O brilho usado nos dias de folia exige cuidados

Itens como glitter, maquiagem e spray podem ser usados quando apropriados para aplicação na pele

As espumas não podem ser inaladas, ingeridas nem expostas a calor excessivo. O contato do produto com os olhos deve ser evitado
00:00 · 03.02.2018

Carnaval pede make e acessórios coloridos. Porém, a atenção com alguns dos adereços deve ser redobrada. Isso porque, em contato com a pele, eles podem causar reações alérgicas.

Por esse motivo, a dermatologista Dra. Valéria Marcondes, alerta: o inchaço e vermelhidão ocasionados por cosméticos podem aparecer até 24h depois da exposição ao produto.

Os sprays de tinta de cabelo contêm pigmentos temporários e de fácil remoção que podem causar reação alérgica. O ideal é fazer um teste antes de usá-los e, após a folia, lavar o couro cabeludo e os fios. "Caso a tinta não seja bem removida, ela pode ressecar a região e provocar descamação", orienta a médica.

O uso de tinta guache e pincéis atômicos como as canetas utilizadas em quadro branco, também deve ser evitado. "Se a tinta for imprópria para ser aplicada na pele, há o risco de um quadro alérgico que, além de dermatite, pode prejudicar a parte respiratória", afirma.

Pessoas que já possuem alergia a um determinado tipo de substância devem verificar o rótulo do produto antes de utilizá-lo, para evitar as reações alérgicas mais graves. "Opte por maquiagens aprovadas dermatologicamente e que estejam, principalmente, dentro da validade", diz. O uso do demaquilante e sabonete de limpeza é obrigatório ao final do dia.

Brilho

O glitter pode ser aplicado em todo o rosto e corpo, porém prefira os específicos de maquiagem, feitos de plástico não-tóxico. Conforme a expert, a cor deles não irrita nem mancha a pele e esse produto é mais fino. Mas é preciso cautela ao aplicá-lo na região dos olhos para não grudar nos cílios, causar pequenas lesões nas córneas e conjuntivite.

O uso de corretivos e sombras cremosas é o segredo. Além de colarem o glitter, evitam irritação na pele. Áreas com feridas não devem receber o glitter, pois há risco de contaminação e agravamento da lesão.

Purpurina e lantejoulas também fazem parte da composição das fantasias carnavalescas. Por isso, a médica recomenda observar o tempo de uso e a validade dos produtos.

Os adesivos e tintas precisam ser específicos para a face e testados com antecedência.

As neves artificiais não são aplicadas na pele. "No entanto, o uso requer cuidados, devido às substâncias que, em contato com a pele, podem causar reações alérgicas, urticárias, irritações nos olhos e garganta.

As crianças são as mais propensas a desenvolver esse tipo de reação, pois brincam com a espuma e levam as mãos no rosto. "Antes de comprar, cheque se o produto possui liberação da Anvisa para ser comercializado", recomenda.

Maquiagem

Para a dermatologista, justamente por causa do suor, as makes à prova d'água são as mais indicadas. Elas evitam que os produtos escorram, atinja os olhos ou irrite as regiões do pescoço e nuca. Além disso, a textura oil-free também é uma ótima alternativa, já que confere mais aderência à pele e evita o brilho extra.

"Após retirar a make, use hidratantes com ativos calmantes e água termal. O filtro solar é indispensável. Dê preferência aos com toque seco e cor de base", aconselha a Dra. Valéria Marcondes.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.