concentração e equilíbrio

Meditação ativa

A prática desenvolve uma atitude reflexiva diante das ações do cotidiano. Também ajuda o indivíduo estar no 'aqui' e 'agora'

00:00 · 04.08.2018
MEDITAÇÃO
Guillaz Moreira utiliza uma abordagem plural que busca trazer a mente para o agora, ou seja, o objetivo primário de toda meditação

Engana-se em parte quem associa meditação a olhos fechados e uma postura formal como a de Lotus (Padmasana). A presença do movimento também pode garantir um estado de concentração e equilíbrio no cotidiano, já que desenvolver a atitude reflexiva diante das ações da vida é o objetivo da meditação ativa.

> Diferentes formas de meditação 

Realizar várias atividades ao mesmo tempo nem sempre é sinônimo de excelência. As vezes, muito pelo contrário. A meditação dinâmica orienta que cada ação deve ser executada por inteiro, sem distrações, por mais simples que possam ser.

Nesse sentido, a jornalista Rafaela Britto, 36 anos, consegue meditar lavando a louça, ouvindo uma boa música ou mesmo durante uma corrida. Há três anos, ela busca desenvolver essa atenção plena em cada horário do dia.

"Tento tomar um banho sem pensar na agenda, na reunião, na conta pra pagar e sim prestar atenção na água caindo, na espuma que o sabonete faz. É estar ali, naquele momento, e nada mais importar", descreve.

Concentração

Segundo o professor de Yoga Guillaz Moreira, a concentração é determinante para que qualquer atividade seja realizada com sucesso. O mesmo vale para a meditação.

"Os nossos erros e acertos na vida são determinados pela nossa capacidade de nos concentrar. Seja por horas a fio realizando um trabalho/estudo ou durante alguns poucos segundos numa situação de risco de vida, a concentração leva ao sucesso", afirma o professor que possui especializações na Índia e América Latina.

Pessoas mais concentradas têm menos tempo para pensar em problemas e focam mais nas soluções, de acordo com Guillaz. "A mente é mais afinada aos seus propósitos e filtram melhor o que é importante para o processo, não desperdiçando atenção com o que é desnecessário", pontua.

'Destravar'

Em vista disso, todas as atividades do cotidiano podem ser alvo da meditação ativa, que é aperfeiçoada por meio de métodos tradicionais.

"No começo não é fácil, por isso as técnicas de meditação específicas como a Hatha Yoga, Raja Yoga e Tai Chi Chuan são de fundamental apoio. Hoje, a maioria das pessoas está com o corpo travado e a mente tensa. Essas técnicas ajudam a liberar as travas que geram os desconfortos a que estamos sujeitos", afirma o professor que ministra a técnica de Vinyasa, meditação ativa que intercala com posturas de Yoga e respiração.

Mesmo assim, a meditação dinâmica é uma opção para quem não se identifica com o modo estático. "Indicada para quem tem dificuldade em ficar parado, inclusive para crianças", afirma Ananda Kaur, professora de Kundalini Yoga.

Liberando toxinas

Os benefícios da meditação ativa variam de acordo com a técnica praticada, mas existem pontos em comum entre todas elas, de acordo com Guillaz Moreira: A redução do estresse, liberação de tensões físicas e mentais, o alívio de estados psicossomáticos de ansiedade/depressão/raiva, a melhoria nas capacidades de concentração e foco, a qualidade respiratória, além da liberação de toxinas físicas, mentais e emocionais depositadas no corpo em forma de hormônios.

No tempo presente

Um dos mais valiosos benefícios das técnicas de meditação (ativas ou formais) é o grau de presença consciente que o praticante desenvolve.

"A capacidade de estar no momento presente, com a mente serena e focada no que precisa ser feito, vagueando menos para pensamentos indesejados. As técnicas limpam a mente e ensinam a perceber melhor as suas flutuações", diz Guillaz.

Para quem deseja começar a exercitar a concentração em meio à dinâmica do cotidiano, Guillaz lista algumas recomendações. A começar por tentar caminhar consciente dos próprios passos, contando quantas passadas deu em uma caminhada matinal, por exemplo.

Outra é cozinhar atentamente, evitar acidentes banais do dia a dia, além de perceber o corte que faz no alimento, sua textura e observar os tempos exatos de cozimento, e entoar um mantra enquanto cozinha. Observar a comida durante a refeição, fechar os olhos, mastigar lentamente percebendo o sabor e a temperatura.

Ouvir atentamente uma música e tentar identificar cada instrumento também pode ser uma forma de meditar. Cada palavra e sensação que a música provoca no corpo traz memórias à mente e um estado de plenitude.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.