Multidisciplinar

Formação para tratar a dor crônica

00:00 · 15.09.2018

É significativo o impacto da dor crônica nos sistemas de saúde pública e nas opções de tratamento existentes: cerca de 60 milhões de brasileiros sofrem com o problema. O tema será discutido no Congresso Singular/Sobramid (Sociedade Brasileira de Médicos Intervencionistas em Dor) Multidisciplinar em Dor, que acontece a partir do dia 19, em Campinas (SP).

Neste ano, a Associação Internacional de Estudo da Dor (IASP, em inglês) comemora o "Ano Global de Excelência em Educação para a Dor', cujo objetivo é o de conscientizar a população sobre a importância de tratamento para os diferentes tipos de dor, desde cefaleias e enxaquecas, orofaciais e disfunção da articulação temporomandibular, assim como a dor oncológica.

Iniciativas em curso

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), Eduardo Grossmann, a maioria das universidades brasileiras não tem na grade curricular disciplinas voltadas para o tema (ou oferecem com carga horária baixa). Em parte, essa carência está sendo suprida com a criação de 'ligas de dor' em diferentes instituições de ensino superior. Hoje, há 11 dessas entidades cadastradas na SBED, com cerca de 236 participantes.

Sobre a capacitação dos médicos brasileiros para essa formação, a SBED informa que estão sendo publicados artigos no Brazilian Journal of Pain (BrJP), assim como livros, seminários, cursos, conferências e oficinas. "O objetivo é alertar os médicos sobre as necessidades da excelência em dor", afirma.

Entre as principais propostas para o "Ano Mundial da Educação em Dor" está a suprir a lacuna entre conhecimento e prática. O desafio é criar programas específicos à dor nas instituições de ensino superior. E que os mesmos tenham como base o programa curricular da IASP.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.