Afta: dor sem fim

A presença de úlcera oral deve ser sempre investigada. Quando não há acompanhamento médico, o tratamento (inclusive o caseiro) tende a dificultar a cicatrização

00:00 · 17.06.2017

Falar, comer ou beijar podem parecer atos de simples realização até que uma lesão cause enorme incômodo e comece a atrapalhar. A maior parte da população já sofreu, pelo menos uma vez na vida, com a ulceração oral popularmente conhecida como afta. Seja na língua, nos lábios, na gengiva ou mesmo na garganta, o desconforto é certo, mas o diagnóstico adequado pode amenizá-lo.

A afta apresenta-se como uma perda da mucosa oral, de forma arredondada e avermelhada. "São bastante dolorosas, podem ser simples ou múltiplas e duram de uma a duas semanas. É mais comum em adolescentes, adultos jovens e do sexo feminino", descreve a diretora da clínica de dor do Instituto de Odontologia e Ciências Integradas (IOCI) e professora da Unichristus, Neuza Márcia Falcão.

Sistema imunológico

As deficiências nutricionais (vitaminas do complexo B, ferro e zinco) estão entre as causas do problema. "O profissional para diagnosticar e tratar esta condição deve fazer uma ampla investigação clínica e laboratorial (biópsia) para confirmar ou descartar estas e outros possíveis motivos associados", diz o professor das disciplinas de Estomatologia Clínica e Patologia Bucal do Curso de Odontologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), Dr. Mário Rogério Mota.

O uso contínuo de medicamentos também influencia no aparecimento das úlceras. Em outros casos, o fator determinante pode ser a baixa imunidade. "As células de defesa são importantes para a manutenção de uma boa saúde da mucosa oral, se elas estiverem comprometidas (por doenças e/ou medicação), isso tende a gerar úlceras e outros problemas bucais", reforça.

Há ainda a relação da ferida com a hiperacidez bucal, histórico familiar, estresse emocional ou fisiológico. Apesar de a causa ser desconhecida, isso não exclui, pois há sustentação científica bem estabelecida quanto à origem, pontua Dra. Neuza Márcia.

Problemas digestivos

O diagnóstico adequado é o primeiro passo para tratar a úlcera oral, uma vez que seu surgimento também pode ser influenciado por problemas digestivos. É o caso, embora sejam raras, de alterações do pH (potencial hidrogeniônico) da boca ou infecções por Helicobacter pylori. "Ainda há controvérsia se a bactéria exerce papel importante na formação de aftas", diz Mário Rogério.

Quando investigar

As aftas comuns têm, em média, 10mm. Quando surgem em intervalos de 15 a 30 dias, por cerca de um ano, pode se tratar de uma 'estomatite aftosa recorrente'. Sem causa definida, é provável que seja motivada por baixa imunidade ou processos alérgicos.

O diagnóstico requer exames clínicos e laboratoriais. O tratamento a laser, por exemplo, é eficaz na cicatrização de casos específicos (feridas de maiores proporções). Mesmo com poucas restrições, só deve ser adotado após o diagnóstico.

Uso de laser

Após a realização de uma biópsia (que não deve ser entendida como forma de identificar algo grave), o dentista ou estomatologista indica a melhor forma de tratamento.

Além de aftas, o laboratório do IOCI disponibiliza seu equipamento a laser para o tratamento de herpes, sensibilidade nos dentes, dores articulares e feridas oriundas da quimioterapia e da radioterapia.

A tecnologia reduz a duração da dor causada pela afta de 10 a 14 dias para cinco a sete dias. "Já na primeira sessão, percebemos a diminuição da dor do paciente", explica o cirurgião-dentista e professor do Centro Universitário Christus (Unichristus) Francisco Artur Forte. Pessoas que usam cremes dermatológicos na face ou com distúrbios de coagulação não devem usar o equipamento a laser.

Serviço gratuito

Em Fortaleza, o projeto de extensão Núcleo de Laserterapia para Alterações Orofaciais (Nulaser), sob a orientação do Prof. Francisco Artur, oferece atendimento gratuito para o tratamento a laser de problemas na cavidade oral.

Os pacientes são atendidos na clínica de odontologia da Unichristus: segunda-feira, (manhã e noite; e sexta-feira à tarde), mediante agendamento prévio da consulta.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.