Renovação celular

A esfoliação ajuda a manter o viço da pele

Eliminar as células mortas é um dos passos fundamentais para se manter o rosto e o corpo sempre limpos

A consultora em RH Jadia Mendes não abre mão dos cuidados com a saúde e a beleza da pele. Para ela, a esfoliação semanal é indispensável ( Foto: Reinaldo Jorge )
00:00 · 28.04.2018
A pele do rosto de Jadia é considerada normal. Por isso, ela faz a esfoliação apenas uma vez por semana e com produtos compostos por ativos naturais ( Foto: Reinaldo Jorge )

A esfoliação é uma etapa conhecida quando se fala de cuidados com a pele. O método tem como principal função eliminar as células mortas e estimular a renovação do tecido.

Segundo a dermatologista Dra. Valéria Marcondes, o esfoliante realiza limpeza profunda por meio de partículas minúsculas que fazem leve abrasão na camada superficial da pele. Isso ajuda a manter o tecido mais jovem, além de melhorar a aparência de marcas e manchas. Estimula ainda a produção de novas células, conferindo à pele textura mais homogênea.

"Por remover o excesso de sebo acumulado nos poros, a esfoliação também previne a formação de cravos e espinhas, que nada mais são do que poros entupidos e, no caso das espinhas, infeccionados por bactérias. Além disso, o procedimento aumenta a capacidade de absorção dos cosméticos pelo tecido, deixando a derme pronta para a aplicação de cremes", afirma a dermatologista.

A forma de uso do produto é essencial para que a finalização apresente os melhores resultados. Conforme, a especialista, o esfoliante deve ser aplicado com movimentos circulares sobre a pele molhada e previamente lavada. O produto deve ser deixado na pele por dois ou três minutos, para que os princípios ativos possam agir, e, em seguida, enxaguado.

Áreas trabalhadas

"Além disso, ao esfoliar o corpo, é importante prestar atenção nas áreas com mais sensibilidade, como o colo e os seios, que não devem ser agredidos, e promover movimentos mais contínuos em pés, mãos, joelhos e cotovelos, por serem regiões mais ricas em queratina", alerta a Dra. Valéria.

Para o rosto, a médica diz que o esfoliante ideal deve conter partículas de tamanho pequeno ou médio compostas de ativos naturais. A casca do arroz ou a semente de apricot, por exemplo, promovem renovação epitelial e remoção de queratina e sebo. "A fórmula de cremes ou sabonetes deve conter ingredientes calmantes, anti-inflamatórios, hidratantes e antissépticos para promover higienização sem agredir o tecido cutâneo", alerta a profissional.

Cuidados posteriores

Após a esfoliação, a hidratação do rosto é essencial. Isso porque, ao realizar o processo, ocorre a remoção parcial da camada córnea e do manto hidrolipídico. Com isto, há perda da integridade da barreira cutânea, o que pode causar sensibilidade, irritação e efeito rebote.

Portanto, deve-se hidratar a pele com substâncias que retenham a molécula de água proporcionando a ação de proteção e higroscopia. O veículo escolhido deve ser adequado ao tipo de pele, variando de um leve sérum, até creme nutritivo de alto perfil lipídico. Pessoas que utilizam creme com ácido devem tomar cuidado com a esfoliação, pois os dois produtos não podem ser usados no mesmo dia para evitar que ocorra irritação.

Frequência

A pele oleosa necessita ser esfoliada duas vezes por semana. Já a normal e seca deve receber o procedimento no máximo uma vez por semana. "Isso porque o uso excessivo do esfoliante pode provocar coceira, irritabilidade, vermelhidão e repuxamento da área", destaca a Dra. Valéria Marcondes.

Composição

Os esfoliantes corporais devem ter partículas maiores em relação às utilizadas para o rosto. O ideal é que elas sejam incorporadas em sabonetes cremosos para uso no banho ou misturadas a óleos naturais de fácil aplicação e espalhabilidade. Eles ocasionam esfoliação homogênea e deixam a pele fina e textura luminosa;

É importante evitar produtos que contenham microplásticos como agentes esfoliantes. Isso porque as esferas de microplásticos chegam aos rios após o enxágue, causando poluição e a mortalidade dos peixes;

É preciso ficar atento à rotulagem. O mais comum entre eles é o polietileno, que aparece nas informações como Polyethylene. O ideal é usar ingredientes como as esferas vulcânicas ou ativos naturais como a casca do arroz;

O uso em excesso de receitas caseiras pode causar alergias e ressecamento da pele, além de existir o risco de mancharem a pele quando expostos ao sol.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.