Sertão Central

Quixadá vive 4 dias de ação cultural

00:48 · 03.12.2012
O Feciq acontece pelo segundo ano seguido e se pautou na formação cultural , cidadania e meio ambiente

Quixadá. Shows, intervenções artísticas, oficinas, rodas de conversa, palestras e workshops. Esses foram alguns dos ingredientes da Feira Cultura Independente de Quixadá (Feciq), realizada pelo segundo ano nesta cidade do Sertão Central, com uma duração de quatro dias.

Palco ao luar foi um dos locais de exibição dos artistas de Quixadá FOTO: ALEX PIMENTEL

Pautada na formação, cidadania e meio ambiente, os participantes da rede social alternativa do coletivo Dom Quixarte, responsáveis pela realização do evento, puderam promover junto ao público diversas manifestações de arte e atividades de formação da Universidade Livre Fora do Eixo. Agentes da cidade e regiões vizinhas ganharam residência cultural temporária e vivência ambiental durante a promoção da Feira.

Conforme a coordenadora geral da Feciq, Joanna Matias, os preparativos tiveram início na quinta-feira, com a montagem da estrutura e realização de oficinas, e se estenderam até ontem. Este ano a Feira chegou a sua segunda edição, ampliando a programação artística, distribuída em dois palcos: o Expressão, no salão do Centro Cultural Rachel de Queiroz, e o Ao Luar, na Praça da Cultura.

Apresentações

No primeiro palco, as diversas expressões da música brasileira ganharam espaço. No segundo, foram recebidas apresentações acústicas e da cultura popular, com forte participação dos artistas da terra.

Além dos dois palcos culturais as ações se estendem ainda no Espaço Mix, recebendo intervenções artísticas focadas no teatro e dança, ao longo do evento. O cinema também foi pautado na Feira deste ano, através do Cine Quix, exibindo uma série de curtas infantis.

Homenagem

Esses trabalhos foram relacionados à temática ambiental em um espaço reservado especialmente para a sétima arte na Praça da Cultura no período noturno.

Neste ano o espaço cultural ganhou um charme especial, com a participação metalizada da escritora cearense, e de Quixadá, Rachel de Queiroz. Alguns músicos fizeram questão de agraciar a imortal da Academia Brasileira de Letras com seus acordes.

Outros aproveitaram para observar os astros através do telescópio do projeto "Astronomia para todos", promovido pelo professor Makarius Tahim, da Faculdade de Ciências e Letras do Sertão Central (Feclesc). Em parceria com o professor, a Faciq montou um observatório astronômico no Memorial Rachel de Queiroz. Além do acesso gratuito o público pode adquirir conhecimento sobre a ciência da Astronomia e debater sobre ela. Mas enquanto não anoitecia, o coletivo de mobilizadores e convidados participava de atividades de formação no Centro Cultural e outros pontos da cidade, tudo norteado pelos eixos música, artes cênicas, linguagens artísticas, produção cultural e sustentabilidade.

Dentro da programação voltada às questões ambientais, além da astronomia, o eixo Nós Ambiente instalou coletores para o gerenciamento dos resíduos sólidos durante o evento, além de preparar a decoração para o horário dos shows.

Já na casa do Coletivo Dom Quixarte, os responsáveis pela PosTV da Feciqv uniram-se a agentes da produção do evento, convidados e artistas para um panorama geral sobre a Feira. Nas rodas de conversa o grupo já havia discutido sobre poluição sonora e coleta seletiva de lixo, acrescentou o coordenador da Frente Ambiental da Feira, Gabriel Ponciano.

Ainda conforme Ponciano, a programação começou cedo, às 10 horas, com o Colectivo Xibalba, da Argentina, ministrando a oficina de Técnica de Circo para as crianças da Escola Municipal Jean Silva. No começo da tarde, a oficina de Teatro voltada para grupos de dança e artes cênicas, ministrada por Silvia Moura foi realizada no Centro Cultural, junto do workshop de pífano com Vanildo Franco (Tambores de Guaramiranga), onde os participantes aprenderam a confeccionar o instrumento de percussão. Nos espaços artísticos, o Espaço Mix encantou os visitantes do evento, com destaque para o Coletivo Xibalba e a apresentação do seu espetáculo "Orbitantes Mutantes" e o cortejo do grupo Tambores de Guaramiranga.

O Palco Expressão, dedicado às diversas expressões da música brasileira, recebeu também a Cia de Teatro Arcádia, que apresentou a intervenção intitulada Resíduos Noturnos.

Somando todas as ações, 10 grupos e artistas individuais participaram diretamente da programação da Feciq. O público se dividiu entre as atrações e pôde acompanhar toda a movimentação, em atividades intercaladas ou complementares.

Positiva

Os coordenadores da Feciq consideraram a mobilização cultural e socioambiental positiva. Pretendem repetir no próximo ano a ação realizada pelo coletivo Dom Quixarte e Casa Fora do Eixo Nordeste, a qual integra o calendário da Rede Brasil de Festivais Independentes.

Neste ano, a Feira contou com o apoio da Prefeitura de Quixadá, Associação de Cinema e Vídeo de Quixadá (ACVQ), Instituto de Convivência com o Semi-Árido, Targino Custom Pedals e União Musical Alternativa do Sertão Central (UNIMASC) e patrocínio de empresários e instituições da cidade.

Mais informações:

Coletivo Dom Quixarte

Travessa Tiradentes, 172

Centro

Quixadá

Telefone: (88) 9644.5341

ALEX PIMENTEL
COLABORADOR

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.