Palha de carnaúba

Programa fortalece trabalho de artesãos do Norte do Ceará

A palha de carnaúba é a matéria-prima responsável pelo resgate da autoestima das comunidades

A extração da palha da carnaúba é uma atividade complementar para os agricultores do Ceará, já que é realizada no período de estiagem ( Foto: Alex Costa )
00:00 · 07.07.2018 por Marcelino Júnior - Colaborador
Com valor de mercado garantido, as artesãs estão conseguindo diversificar a produção e alcançar outros consumidores com a confecção de diversas peças, em Muquém de São Pedro, localidade de Cariré, no Norte do Estado ( Foto: Alex Costa )

Cariré Com mãos habilidosas, a artesã Francisca das Chagas Silva, 42, trança a palha da carnaúba para fazer um chapéu. O vai-e-vem mais parece uma dança de ritmo acelerado, em que pouco a pouco a palha vai ganhando forma entre os dedos experientes.

Este tipo de artesanato sempre esteve presente na vida de Francisca, assim como das muitas moradoras da comunidade de Muquém de São Pedro, distante cerca de 12 quilômetros da sede do Município de Cariré, na região Norte do Ceará. A falta de perspectiva de trabalho formal ainda dá à comunidade um perfil parecido com tantas outras do Semiárido cearense, onde a agricultura de subsistência lidera a pequena economia local.

> Apoio se estende a outros municípios

Associação

Quase isolada, a comunidade ainda carece de certas políticas públicas voltadas à melhoria da qualidade de vida de seus cerca de 150 moradores, que fizeram do artesanato com palha mais um meio de sustento.

O legado deixado pelos mais antigos sobrevive até hoje, com apoio de pessoas como Francisca. "Eu aprendi a trançar a palha com cinco anos de idade", e continuo passando para outros jovens a experiência que adquiri. Hoje, estamos mais organizados, mas nem sempre foi assim.

No passado, este tipo de trabalho era muito desvalorizado, e o que ganhávamos mal dava para o investimento na matéria-prima", relata a artesã, que viu nascer, em 2012, com muito esforço, a Associação de Artesanato Mucaúba, que uniu as mulheres em torno da arte.

Mas a falta de apoio financeiro, e de estratégias de comercialização que se seguiram, fizeram com que o ritmo de trabalho diminuísse radicalmente, até que, há dois anos, essa história começou a mudar.

Apoio

Por meio do Programa Ypióca de Artesanato - Gerando Valor, Somando Saberes, a Diageo, multinacional líder mundial na produção de bebidas alcoólicas premium e dona da marca Ypióca, tem ajudado a fortalecer e valorizar a atividade, ao estimular o empreendedorismo, a promoção socioeconômica, a criação de relações sustentáveis e, ainda, a geração de valor para as comunidades onde há produção de artesanato com palha de carnaúba, como ocorre em Muquém de São Pedro, que passou a fazer parte do programa em 2016, após os primeiros contatos com a equipe de consultoria da empresa.

"O que nos chamou atenção foi o potencial do grupo, apesar de a associação operar de forma limitada, dentro dos desafios locais, com muitas dificuldades de acesso a recursos ou canais de distribuição de artesanato, além da falta de apoio", diz o consultor Juarez José Ferraz, que comemora com a comunidade a revitalização da Associação Mucaúba.

Valorização

O grupo está em pleno processo de fortalecimento e consolidação de suas ações, inclusive com o aumento no número de associados, hoje com cerca de 25 mulheres que produzem o artesanato de palha de carnaúba.

"O Programa tem como objetivo valorizar e fortalecer esse tipo de artesanato de uma forma mais ampla no Ceará, indo além da confecção e aquisição da camisa de palha que reveste as garrafas de bebida. Esse investimento social promove o desenvolvimento das comunidades parceiras", pontua Juarez José Ferraz, acompanhado da presidente da Associação, Maria da Conceição Lopes, que abriu as portas da nova sede aos artesãos da região, no último dia 29 de junho para comemorar essa nova fase.

Mudança

"Esse apoio mudou a nossa realidade. Trouxe a possibilidade de criarmos outros produtos, como bolsas variadas, chapéus diversos e outras peças de palha, que têm muita procura. Nosso artesanato é bastante conhecido nas cidades de Fortaleza, São Paulo e Brasília. Hoje, nossas encomendas são feitas pelas redes sociais, garantindo renda para cada uma das artesãs associadas", explica, com orgulho, a presidente da Associação.

"A Diageo, maior fabricante de bebidas destiladas do mundo, sempre apostou em programas sociais em comunidades de baixa renda, e o artesanato faz parte do nosso produto. Então, nada mais justo que estarmos em contato com esses grupos para ajudá-los a ter mais autonomia e diversificar ainda mais a produção das suas peças", complementa Marcelo Prado, diretor de manufatura da Ypióca no Estado do Ceará.

Enquete

O que mudou para vocês com esse apoio?

Image-0-Artigo-2422217-1

"Eu tenho 18 anos, e muito cedo busquei o artesanato como forma de ajudar a minha família. Hoje, nossas necessidades são outras, mas a revitalização da palha de carnaúba me dá a certeza de que temos uma profissão a ser valorizada"

Thais Silva

Artesã

Image-1-Artigo-2422217-1

"Vivenciar essa experiência de ter o apoio ao nosso trabalho muda tudo. O artesanato é difícil de ser comercializado, muitas vezes pela falta de conhecimento do próprio artesão, que acaba se desvalorizando. O que vejo aqui é o resgate da autoestima"

Maria Eliane Nascimento

Artesã

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.