Em 2016

Relatório de Segurança aponta 10 barragens cearenses com estruturas comprometidas

Segundo Agência Nacional de Águas (ANA), objetivo é apontar diretrizes para a atuação de fiscalizadores e empreendedores dos barramentos

14:02 · 10.10.2017 / atualizado às 17:46
barragem
Na barragem de Tijuquinha, em Baturité, foram encontradas fissuras e deterioração do concreto

Elaborado anualmente pela Agência Nacional de Águas (ANA), o Relatório de Segurança de Barragens (RSB) 2016 foi divulgado nesta terça-feira (10) pelo órgão regulador, que identificou 25 barramentos com estruturas comprometidas em todo o País. O que chama atenção é que, deste total, 10 estruturas estão localizadas no Ceará, espalhadas por diversas regiões do Interior do Estado. Confira a lista clicando aqui.

Segundo o relatório, das 10 barragens comprometidas no Estado, oito são de responsabilidade da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh), enquanto uma diz respeito à Prefeitura de Potengi e outra à Prefeitura de Itapipoca. Uma delas, a Jaburu I, localizada em Ubajara, é fiscalizada pela própria ANA, que tem o dever de monitorar a segurança de barramentos de usos múltiplos em rios de domínio da União.

Em nota, a Cogerh informou que já foram realizados reparos em cinco barragens que são de responsabilidade do órgão. Os problemas já teriam sido solucionados nas barragens do Facundo (Parambu), São José II (Piquet Carneiro), Trapiá (Pedra Branca), São José III (Ipaporanga) e Valério (Altaneira).

Ao todo, 3.691 barragens foram classificadas quanto à Categoria de Risco (CRI), sendo que 1.091 barragens possuem CRI alto. A maioria encontra-se no Nordeste, preponderantemente na Paraíba (404), Rio Grande do Norte (221) e Bahia (204).Em relação ao Dano Potencial Associado (DPA), foram classificadas 4.149 barragens, sendo 2.053 com DPA alto

Conforme a Agência Nacional de Águas, o RSB é um dos instrumentos da Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB) e tem como objetivo apontar diretrizes para a atuação de fiscalizadores e empreendedores dos barramentos em todo o Brasil. Os dados compilados, inclusive, são repassados para os agentes privados ou governamentais com direito real sobre as terras onde se localizam a barragem e o reservatório, ou que explorem o equipamento para benefício próprio ou da coletividade.

Principais problemas

Dentre os principais problemas encontrados nas barragens cearenses, destacam-se as erosõesfissuras e os afundamentos, informou o RSB. Na barragem do Facundo, no município de Parambu, por exemplo, foi observado erosões no maciço. De acordo com a Cogerh, todavia, foram investidos R$ 400 mil para solucionar o problema. No barramento de Tijuquinha, em Baturité, foram encontradas fissuras e deterioração do concreto. O projeto de reparo, estimado em R$ 500 mil, está em fase de licitação.

Outro problema frequentemente constatado pelo relatório foi o surgimento de vegetação nos taludes, registrado em cinco das 10 barragens comprometidas no Ceará. O caso mais grave foi constatado na barragem de Jaburu I, em Ubajara, onde há percolação e erosão regressiva no vertedor, o que deixou o equipamento com CRI e DPA classificados como alto.

Confira a lista de todas as barragens comprometidas no Ceará, conforme a ANA, e seus respetivos problemas:

> *Facundo (Parambu) - Erosões no maciço

> *São José II (Piquet Carneiro) - Afundamentos e buracos em talude

> Tijuquinha (Baturité) - Fissuras e deterioração do concreto

> Pau Preto (Potengi) - Erosões e vegetação nos taludes

> *Trapiá (Pedra Branca) - Vegetação nos taludes

> Cupim (Independência) - Erosões e vegetação nos taludes e canais de aproximação

> *São José III (Ipaporanga) - Erosões e vegetação nos taludes e canal de aproximação

> *Valério (Altaneira) - Erosões no talude de jusante canal de restituição

> Poço Verde (Itapipoca) - Erosões, afundamentos e vegetação nos taludes e coroamento

> Jaburu I (Ubajara) - Percolação e erosão regressiva no vertedor

*Barragens com reparo já executado, segundo a Cogerh

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.