Entre 1940 e 1950

Iguatu teve a primeira rádio do Centro-Sul do CE

Edilson Correia e o controlista Aelson Teixeira (Sukita), na Rádio Iracema, primeira emissora da região, de 1962 ( Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal )
00:00 · 09.06.2018

Iguatu. Esta cidade, nas décadas de 1940 e 1950, dispunha da radiadora "Voz do Progresso de Iguatu (VPI)", importante meio de comunicação comunitária, que perdurou até a chegada da primeira emissora de rádio na região, a Rádio Iracema, inaugurada em 1962.

A VPI era um sistema de som com seis alto falantes instalados em pontos estratégicos da cidade, cujo núcleo urbano era pequeno na época. Funcionava regularmente das 17h30 às 22 horas, e, excepcionalmente, durante o dia, para pronunciamentos políticos ou informações extraordinárias. A unidade era dirigida pelo médico Durval Mendonça, ligado à União Democrática Nacional (UDN).

> 'Voz da Liberdade' faz parte do dia a dia de Orós

"Os locutores eram Otávio Nascimento e Manuelito Lobo", lembra Edilson Correia, 80, que foi operador a partir de 1953 na VPI e mantém viva a memória sobre os meios de comunicações locais. "Tocava músicas, lia-se notícias, recados, avisos de utilidade pública e publicidade".

Edilson Correia é considerado a primeira voz do rádio iguatuense. Aos 24 anos, foi trabalhar na Rádio Iracema de Iguatu, inaugurada em 1962. Após 21 anos, em 1983, assumiu o Departamento Comercial da Rádio Jornal Centro-Sul onde permaneceu por quase 30 anos.

Foram mais de 50 anos dedicados à radiodifusão local, com empenho, seriedade e profissionalismo. Ele lembra que, em 1962, pelo menos cinco acontecimentos modificaram a vida social local, com impactos positivos que colocaram Iguatu no caminho do desenvolvimento: "Foi inaugurada a primeira emissora de rádio, houve a implantação da energia elétrica de Paulo Afonso, foi fundado o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), que levou água encanada para as casas, a cidade ganhou um bispo (a partir da criação da Diocese) e os telefones da Companhia Telefônica de Iguatu (inaugurada em maio de 1961) começaram a ser instalados nas casas", recordou.

Em 16 de junho de 1962, foi inaugurada a Rádio Iracema de Iguatu, a primeira da cidade, que integrava uma rede de emissoras em Juazeiro do Norte, Sobral e Fortaleza. "Foi um acontecimento muito importante e a audiência era total", disse. "As pessoas ficavam ligadas no rádio muito tempo, para ouvir os programas, as músicas e saber dos acontecimentos".

Quase um ano antes da inauguração, a emissora ficou operando em caráter experimental com música e uma mensagem lida por Edilson Correia, que expressava: "Rádio Iracema de Iguatu, operando na frequência de 1.510 quilociclos".

"Fui a primeira voz do rádio iguatuense e o primeiro radialista", pontuou Edilson Correia. O primeiro diretor foi Lindenor Osterne. "A inauguração teve show com a cantora Aila Maria, apresentação de Armando Vasconcelos e programa de auditório", recordou. A Rádio Iracema funcionava no imóvel da atual sede da Associação Comercial.

Primeiro time

O time inicial de locutores era integrado por Manuelito Lobo (oração da Ave Maria); Sandoval Ramos de Oliveira, que apresentava informativo a cada hora; a dupla Antônio Cavalcante e Valter Sudário, que lia o noticioso "Jornal Centro-Sul", ao meio-dia; Chagas Camilo; Francelino Félix; Edilson Correia; Marlene Teixeira; Rita Oliveira; e os controlistas Antonio Frutuoso (Pancho) e Aelson Teixeira (Sukita).

Edilson Correia destaca: "Vivenciei o tempo dos discos de vinil, da válvula, do transístor, da fita, do CD e do DVD, assistindo a evolução tecnológica. Hoje é tudo no computador e há várias emissoras na cidade".

Durante a cheia do Rio Jaguaribe em 1974, a Rádio Iracema informava para toda a região sobre a chegada da água, arrombamento de açudes e orientação para os moradores das áreas ribeirinhas e da zona rural deixarem suas casas. Em meio à tragédia, uma pausa para o jeito curioso e conformado das pessoas informarem os fatos para os parentes. "Os avisos das vítimas da enchente para os parentes diziam que o rio invadiu a casa, destruiu os móveis, matou animais, mas sempre terminavam assim: não se preocupe que está tudo bem".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.