Zona Norte

Exposição apresenta História do Violão

01:58 · 17.09.2008
24 peças artesanais mostram a trajetória de um dos instrumentos mais antigos e populares do mundo

Sobral. Uma série de réplicas de instrumentos muito antigos, como “vihuella”, viola renascentista, alaúdes, entre outras, está em exposição no espaço cultural do Memorial do Ensino Superior de Sobral (MESS). Réplicas de raridades, que percorrem da arte barroca, renascentista e romântica, demonstradas em instrumentos que deram origem ao violão, fazem parte da exposição “A História do Violão”, que está aberta ao público até amanhã, com entrada gratuita. A mostra conta com realização de uma oficina, com uma abordagem histórica do instrumento, desde os primórdios até os dias atuais.

A exposição, que foi organizada pelo construtor de instrumentos artesanais, Joaquim Pinheiro, e promovida pelo Sesc, em parceria com a Pró-Reitoria de Cultura da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), mostra a trajetória de um dos instrumentos mais antigos e populares do mundo. A exposição também já percorreu 67 municípios. Conta a história de instrumento que remete ao som da saudade, do amor, tristeza, alegria. “O violão, tal qual o conhecemos hoje, é o resultado da evolução histórica de uma diversidade de instrumentos musicais de cordas desde o século XVI, marcando uma trajetória que se estende até fins do século XIX”, explica.

Em “História do Violão”, o público tem a oportunidade de conferir toda a evolução do instrumento de corda. Ao todo, estão expostas 24 peças, réplicas idênticas de originais pertencentes a museus e coleções particulares da Espanha, Áustria, Alemanha, Itália, França, Inglaterra, Estados Unidos e Brasil. O visitante pode ter contato também com modelos que já foram usados desde a Idade Média até o século XIX: alaúdes medievais, renascentistas e barrocos, guitarras e violas dos vários períodos.

Os instrumentos em exposição são resultado de 30 anos de trabalho de Joaquim Pinheiro em parceria com o luthier — artesão que constrói os instrumento da exposição — Jorge Vieira. Segundo Joaquim Pinheiro, a história mais recente do violão é datada do ano de 1275, quando os árabes, indo pela Península Ibérica, entraram na Europa, mais precisamente pela Espanha.

Segundo Joaquim Ribeiro, a mostra das réplicas de violões antigos deve ser apreciada por leigos e estudiosos, já que a história é um bem de todos, democrático, para qualquer idade, classe social e nível de conhecimento. “O acervo foi surgindo durante meu trabalho, meu gosto pela música. Acredito que essa exposição esteja chegando a milhares de pessoas em diferentes lugares. Isso é maravilhoso”, diz.

Biografia

O carioca Joaquim Fernando Guimarães Pinheiro é conhecido, há 30 anos, pelos amantes da música antiga como um dos poucos construtores de réplicas de instrumentos antigos de corda. Além dele, o luthier cita Luciano Faria, ex-aprendiz, que fabrica o alaúde e a guitarra barroca, e também o seu mestre e companheiro, Jorge Vieira. Na época do auge da música antiga, entre os anos 70 e 80, muitos caíram nas graças dos instrumentos produzidos por Joaquim. Alguns deles se tornaram importantes, os quais cita Mário Orlando, com a viola da gamba - espécie de violão que se toca com arco, e é mais antigo que o violino. Antecede um pouco o descobrimento do Brasil.

Durante os 30 anos dedicados à construção de instrumentos, suas mãos produziram em torno de 400 peças. O interesse em reproduzir essas relíquias surgiu na época em que Joaquim se preparava para se aposentar como diretor financeiro de uma empresa multinacional no Rio de Janeiro. “Eu era aficionado por música antiga e por muitos anos tive a idéia de fazer uma tarefa artística que me levasse a viajar. Eu não sabia nada e nunca tinha entrado numa oficina, pois eu era um camarada de escritório, mas decidi prosseguir”, ressalta.

Foi quando ele conheceu o luthier Guido Páscole, o maior que havia na época, professor de luteria no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, e a partir daí não parou mais.

Se especializou nos Estados Unidos com Lyn Elder e montou sua própria oficina para o trabalho no Brasil.

WILSON GOMES
Especial para o Regional

Mais informações:
Exposição ´História do Violão´
Memorial do Ensino Superior de Sobral - Sesc
Exposição aberta até 18/09
De 8h às 12h e de 14h às 18h

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.