Encontrado 1º registro arqueológico do Ceará - Regional - Diário do Nordeste

640 anos

Encontrado 1º registro arqueológico do Ceará

10.04.2008

O primeiro registro datado da arqueologia no Ceará tem 640 anos e material foi achado no município de Mauriti

Mauriti. Um achado arqueológico que muda a história dos antepassados do homem no Estado. O primeiro registro datado da arqueologia tem 640 anos e acaba de ser feito. O material foi encontrado na zona rural do município de Mauriti, no distrito de Anauá, no fim de 2006 e, somente em 2007, foi analisado pelo laboratório Americano Beta Analytic. Uma audiência pública realizada, na manhã de ontem, na Câmara Municipal, com a presença da comunidade, estudantes, autoridades do município e representantes de várias instituições abriu discussão sobre o que fazer com o patrimônio da região. Uma das propostas é montar um museu, para abrigar o material e um campus avançado para estudos na área da arqueologia.

Uma fogueira, fragmentos de cerâmica, um tabetá (espécie de adorno labial), e fusos foram encontrados por uma equipe de arqueólogos, historiadores e auxiliares. O material foi encontrado após trabalho feito pela Companhia Hidroelétrica do Vale do São Francisco (Chesf), durante instalação de uma linha de transmissão de energia entre Milagres e Coremas (PB). No meio do caminho, os achados.

A arqueóloga da Universidade Estadual do Ceará (Uece), Verônica Viana, detectou os achados no momento em que os técnicos da Chesf realizavam as escavações. O material foi levado para ser examinado pelos pesquisadores da universidade. A comunidade de Mauriti se manifestou para que houvesse um estudo que determinasse melhor a origem do material. Um pedaço de carvão foi examinado nos Estados Unidos, com o carbono 14.

Um dos pontos ressaltados pelos estudiosos, como a coordenadora do Departamento de História da Uece, Sílvia Siqueira, é a ausência de um estudo maior no âmbito da arqueologia. Ela afirma que em todo o Estado as pesquisas são insipientes, no que diz respeito a outras partes do Nordeste, a exemplo de São Raimundo Nonato (PI). Há mais de duas décadas são desenvolvidas pesquisas naquele estado. Ela também cita os exemplos dos estados da Bahia, Rio Grande do Norte e Pernambuco. A professora Valdécia Pereira de Sousa conta que no momento em que o material foi encontrado se iniciou uma luta pelo aprofundamento nos estudos.

Origens exógenas

Os principais achados no local são peças cerâmicas. Mas no caso do tabetá, o auxiliar de pesquisas arqueológicas, Igor Pedroza, destaca a presença de matérias-primas de origem exógena, onde está presente a troca de materiais entre grupos. Não dava para se produzir aquela peça com materiais da região. O tabetá normalmente é usado nos ritos de passagem indígena. Ele ressalta ser este material a prova da presença do grupo Tupi.

No caso da cerâmica, o uso estava voltado principalmente para o acondicionamento de alimentos, e o fuso, conforme o auxiliar de estudos, indicam o conhecimento de tecelagem.

Tombamento

Há alguns anos, houve o tombamento pelo município da Pedra do Letreiro, um dos sítios onde estão localizados registros do homem pré-histórico. Uma das principais preocupações as autoridades e da comunidade diz respeito a preservação desses locais. Tanto que neste local, a professora Márcia Cristina Saraiva afirma que cada vez que tem levado os seus alunos para conhecerem, perceberem a depredação e desgaste. “É preciso mais conscientização das pessoas para essa riqueza que temos”, diz ela.

Enquete
Qual a importância da preservação dos sítios?

Márcia Cristina Saraiva
Professora de Biologia
"É importante passar esse conhecimento para os alunos e desenvolver uma consciência de preservação"

José Freitas
Diretor da Escola de Anauá
"Todo mundo reivindica pela preservação desse patrimônio. Estamos levando arqueólogos para dar palestra nas escolas"

CONSCIENTIZAÇÃO DA SOCIEDADE

Mobilização para preservar o patrimônio

Mauriti. A secretária de Cultura de Mauriti, Telma Carvalho Montenegro, destaca a importância da preservação do patrimônio e a satisfação de, pela primeira vez, ter conseguido reunir tantos representantes de instituições para essa mobilização e conscientização da sociedade, em relação à riqueza arqueológica. O objetivo é viabilizar alternativas para os aspectos cultural, científico e social do patrimônio histórico e arqueológico do município.

Em várias localidades estão presentes sítios arqueológicos, não só em Mauriti, mas em vários municípios. São mais de 30. A Fundação Casa Grande, em Nova Olinda, há pelo menos 15 anos vem realizando esses levantamentos. Segundo a diretora científica da entidade, a arqueóloga Rosiane Limaverde, a perspectiva é capacitar gestores para cada um dos municípios no sentido de promover a conscientização para preservar esse material. Durante a audiência, ela entregou um projeto de Educação Patrimonial, direcionado à Secretaria de Cultura, com a finalidade de formar 20 monitores.

Esse trabalho, conforme a arqueóloga, será realizado com participantes das cidades onde estão presentes os sítios. A capacitação de gestores do patrimônio dos sítios, será dada por meio de uma parceria da Fundação Casa Grande, de Nova Olinda, com a Universidade Regional do Cariri (Urca), Universidade de Coimbra, Ministério da Cultura, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O estudante Leandro de Sousa, do distrito de Anauá, destacou a sua participação durante o trabalho com os arqueólogos, no sentido de conhecer mais de perto a importância de preservação da história, os registros do homem. “Se isso não for preservado, perderemos a oportunidade de conhecer nosso passado”, diz ele. Ele propõe para a cidade a criação de um museu que abrigue as peças encontradas nos sítios e sirva de atração turística e direcionadas às pesquisas, como acontece com a paleontologia da região.

Projeto

O prefeito local, Izac Gomes, disse na audiência que está pleiteando um investimento, por meio do banco do Nordeste, de R$ 20 mil para instalação de um museu, dotado com laboratórios, no município. Com isso, promover a conservação dos achados pré-históricos no município.

Mais informações:
Secretaria de Cultura de Mauriti
Avenida Senhor Martins, S/N
Bairro Bela Vista
Telma Carvalho
(88) 9606. 0621

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999