Criatório é referência em peixes ornamentais - Regional - Diário do Nordeste

Região metropolitana

Criatório é referência em peixes ornamentais

18.10.2008

O Criatório Capuan, em Caucaia, é o maior do Estado em número de tanques para peixes ornamentais

Caucaia. Eles são grandes ou menores que um dedo. Amarelos, azuis, vermelhos, pretos, das cores mais diversas. De origem brasileira, japonesa, africana, australiana, de quase todo o mundo. Nadam rapidamente, como se patinassem no gelo, ou parecem apenas flutuar, como em um balé nas águas. Quaisquer que sejam as características, a beleza dos peixes encanta crianças e adultos. E mais de 150 diferentes espécies deles compõem o cardume do Criatório Capuan, especializado em criação e venda de peixes ornamentais no município de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza.

O estabelecimento é o maior do Estado em número de tanques para peixes ornamentais – todos de água doce – e o segundo, em termos de produção. O preço de cada animal pode variar de R$ 0,50 a até R$ 25,00, dependendo da raridade e da beleza da espécie, bem como da demanda e da facilidade para reprodução em cativeiro. O criatório está passando por uma reforma de ampliação, prova de que o negócio dá certo e tem clientela garantida.

O comércio, em sua maioria, é por atacado, de peixes em idade juvenil e para outros criatórios, mas também há vendas para amantes dos animais marinhos interessados em espécies exóticas ou em agradar os filhos. Segundo o engenheiro de pesca e um dos sócios do criatório, Wesley Berbert Pereira, o negócio é favorecido pelo número reduzido de vendedores de peixes ornamentais.

Essa história começou há cerca de 15 anos como um hobby do atual proprietário do estabelecimento, Chico Nepomuceno. Na época, ele mantinha cerca de 12 tanques de peixes no sítio onde hoje funciona o criatório. “Ele achava bonito”, conta o filho e representante comercial Tiago Nepomuceno. Aos poucos, “foi derrubando árvores e construindo tanques. Cinco anos depois, ele não tinha mais onde botar os peixes e começou a vender”, completa.

Atualmente, Chico mantém mais de mil tanques além de aquários para alojar os animais, e vende para Fortaleza, municípios do Interior e até para fora do Estado. A paixão pelos animais é tanta que o fez criador conservacionista do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Renovação da água

Conforme Wesley Pereira, uma equipe de sete funcionários ajuda a manter a estrutura do local. Entre as ações necessárias está a renovação de 30% da água dos tanques pelo menos uma vez por semana e a troca completa do líquido depois de períodos maiores. Além disso, é preciso lembrar de pôr ração e vegetais para os animais que não se alimentam de outros peixes ou ovos. E ainda de separar filhotes e peixes grandes para evitar a predação.

Alguns dos tanques são chamados de reprodutores, pois neles é colocada uma pequena quantidade de machos e fêmeas para reprodução. A transferência dos animais para aquários, na maioria dos casos, também tem esse fim.

Antes de vender os animais, vários cuidados são necessários, conforme Pereira. Os animais precisam ficar em jejum de 24 a 48 horas para liberar o máximo de excreções possível. Esse cuidado é necessário para evitar a elevação demasiada do nível de amônia na água durante a viagem de entrega, o que pode provocar a morte ou a debilitação dos animais. Enquanto são transportados por via aérea ou terrestre, os cardumes ficam em sacos plásticos cujo volume, por unidade, é preenchido com 1/3 de água e 2/3 de oxigênio.

Entre as peculiaridades das espécies, algumas preferem ambientes escuros, enquanto outras buscam a luz. A colocação de um tanque numa região coberta pode influenciar até na taxa de mortalidade dos peixes, pois alguns podem deixar de se alimentar em condições adversas. “O animal melhora a reprodução se você reproduzir o hábitat natural dele”, explica o engenheiro de pesca.

Cardume
Espécies têm várias peculiaridades

1- Conhecida como molinésia, a espécie ´Poecillia latipinna´ é natural de regiões tropicais. Vegetarianos, esses peixes se alimentam principalmente de microalgas, mas também comem ração. A reprodução é feita de forma direta (vivíparos).

2- A espécie kingiu (´Carassius auratus´) naturalmente é esverdeada com duas aberturas no rabo, mas degenerações estimuladas ao longo dos anos produziram subespécies diferentes, como o pérola (laranja) e o red cap oranda (vermelho e branco).

3- Você acredita que possa existir peixe curioso? Pois esse é o caso do leleupi (´Neolamprologus leleupi´). Ele se aproxima ao sentir movimento estranho e parece estar posando para foto. São naturais do Lago Tanganica, que se estende por quatro países da África.

4- A espécie marlieri (´Julidochromos marlieri´) também é natural do Lago Tanganica e considerada curiosa - apesar de ter dado mais trabalho para se deixar fotografar. Onívoros e de reprodução externa, desovam em locas, onde os ovos recebem cuidado até eclodirem.

ÍCARO JOATHAN
Repórter


Mais informações:
Criatório Capuan
Rua Freitas Barbosa, 220 - Capuan - Caucaia/CE
(85) 3478.7740
Falar com João Batista Rocha

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999