Animais Raros

Criadores preservam ovelhas Nambi ameaçadas de extinção

01:15 · 17.01.2012
A ovelha Nambi possui características semelhantes às da cabra comum
A ovelha Nambi possui características semelhantes às da cabra comum ( Yaçanã Neponucena )
Além de não demandarem gastos elevados para a criação, os exemplares da raça consomem vários tipos de vegetação e são capazes de encontrar alimentos em períodos de longas secas, caracte
Além de não demandarem gastos elevados para a criação, os exemplares da raça consomem vários tipos de vegetação e são capazes de encontrar alimentos em períodos de longas secas, caracte ( )
Devido à preferência por raças exóticas, as ovelhas Nambi foram desaparecendo, pouco a pouco, no Estado

Crato Um dos tipos raciais de ovelhas em processo de extinção está sendo preservado na região do Cariri. Dois criadores de Nambi estão conservando um núcleo que está localizado neste Município. Mais especificamente no Sítio Baixio, os criadores Enrile Pinheiro e Nertan Nicodemos tentam resgatar os animais do risco de desaparecimento. Do ovino Nambi, restaram apenas alguns exemplares. Apesar de não se ter um número exato, existe apenas um pequeno grupamento de indivíduos espalhados em rebanhos pelo Nordeste e ainda sem a devida valorização por parte dos criadores, que desconhecem o patrimônio genético presente nos animais.

O que os criadores caririenses pretendem é aumentar o núcleo de animais existente para evitar a consanguinidade e formar novos rebanhos a serem repassados a outros criadores interessados em preservar a raça, que é tipicamente nordestina. A trajetória da Nambi segue o mesmo contexto histórico da chegada dos outros animais domésticos ao País, onde foram introduzidas via Casa da Torre, Forte de Garcia D´Ávila, localizada na Bahia, que abriu frente para todo o Nordeste. Provavelmente, a Nambi é oriunda de animais trazidos da África e Península Ibérica, no período da colonização.

Os ovinos dessa classe são deslanados (sem lã), que povoam as regiões semiáridas do Nordeste. Têm como característica principal a ausência de orelhas ou tamanho reduzido delas, que podem ter cumprimento de cerca de dois centímetros, sendo que, em outras raças nativas, as orelhas variam entre a medida de 12 a 22 centímetros.

Esses animais assemelham-se muito aos da raça Nguni ("orelhas de rato"), criada desde a idade do ferro, pelas tribos Zulus na África. As características da pelagem são as variações de cores. As mais abundantes são as malhadas, branco e preto, vermelho e preto, sendo as cores uniformes mais raras.

Os indivíduos do grupo Nambi são animais extremamente rústicos e prolíferos, com estatura mediana e peso que pode variar entre 50 e 60 quilos nas fêmeas e de 65 a 75 em machos. Eles são capazes de encontrar alimentação adequada em períodos de longas secas, o que não acontece com outras raças. O potencial dos Nambi é para a produção de pele e carne, a qual tem fama de ser muito macia e saborosa. Porém, se cruzada com animais exóticos, gera mestiços mais produtivos. Devido à rusticidade e bom peso, os animais adaptaram se ao clima e vegetação da Caatinga. A ocorrência da Nambi no Brasil é restrita a região Nordeste, além do Ceará, há exemplares nos Estados de Pernambuco, Paraíba e Piauí.

Vantagens

Para os criadores, a vantagem em criar Nambi é que, além de não terem gastos elevados com a alimentação dos animais - os quais consomem de restolhos de cultura até as mais grosseiras vegetações com baixo valor nutritivo, típicas da Caatinga -, os borregos são rústicos e ativos, iniciando cedo o consumo de forragem, o que diminui a mortalidade na fase inicial da vida. A quantidade de exemplares é reduzida. Por isso, é importante adquirir mais matrizes e reprodutores. Atualmente, Enrile Pinheiro e Nertan Nicodemos se dedicam a garimpar exemplares em feiras e fazendas de outros Estados.

Para os dois, o início da paixão pela raça Nambi se deu há 30 anos, quando compartilharam experiências, no Município de Brejo Santo, com outro criador, José Nicodemos, que na época chegou a possuir mais de 70 indivíduos. Foi nesse período que os dois perceberam o diferencial dos animais, que não perdiam peso durante as secas e continuavam proliferando.

A iniciativa dos dois criadores em conservar a raça Nambi poderá contribuir para tirar os animais do risco de extinção. Com o aumento do núcleo, eles pretendem atrair outros criadores e enviar exemplares a instituições de pesquisa, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Centro Nacional de Pesquisa de Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen), para que sejam coletados dados sobre o material genético que possam servir a futuros estudos sobre este tipo de ovino. Os criadores apelam para que quem tiver animais semelhantes entre em contato com eles afim de trocar de informações que possam enriquecer os dados de variabilidade genética dos rebanhos.

"Resolvi criar Nambi depois que percebi a importância da raça. Quero preservar o material genético para que as futuras gerações a tenham como base para cruzamentos industriais, até a formação de outras raças sintéticas a partir desta", salienta Nertan Nicodemos. Futuramente, os dois pretendem formar uma associação nacional dos criadores de Nambi, quando os indivíduos forem reconhecidos pelo Ministério da Agricultura e Pecuária como uma raça com padrões definidos.

Origem

O nome Nambi significa "orelha" na língua Tupi Guarani. A raça ainda não tem padrão racial definido e em muito se aproxima das características da cabra comum Sem Padrão Racial Definido (SPRD). Como raça em formação do desenvolvimento populacional, a Nambi do Brasil pode não diferir da SPRD, sendo identificada apenas como tipo racial. A definição da raça vai depender do aumento do número de animais com definição de determinadas características que serão selecionadas. Até hoje, não há levantamentos estatísticos que indiquem o número de ovelhas que existem atualmente, a raça está em via de extinção.

Para o especialista em ovinocaprinocultura e professor da Universidade Estadual do Ceará Aírton Alencar, o motivo da redução do plantel é o modismo que pecuaristas aderiram ao criar raças exóticas. "Se os criadores não preservarem os exemplares existentes, a Nambi vai desaparecer. O nordestino ainda não tem personalidade para assumir a Caatinga e o seu meio ambiente. No dia em que eles identificarem que o nosso meio ambiente é uma região inóspita, vão perceber que os animais que melhor sobrevivem a essas condições são os nativos", afirma.

A Nambi é um animal muito raro, que foi desaparecendo ao longo do tempo devido à preferência dos criadores por raças exóticas, as quais estão tomando o lugar das raças nativas. A preservação depende exclusivamente da ação dos criadores chamados preservacionistas. Atualmente, não há nenhum programa regional governamental voltado especificamente para a preservação da raça e de seus aspectos produtivos e reprodutivos. Não existem estudos em universidades ou instituições de pesquisas que indiquem qualquer informação sobre a Nambi. A raça se mantém apenas em função da ação dos preservacionistas.

Mais informações
Nertan Nicodemos- criador
(88)9922-2794
E-mail: nertan_ce@hotmail.com
Enrile Pinheiro- criador
Telefone:(88) 9947-1187


YAÇANÃ NEPONUCENA
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.