Fé e cultura popular

Barbalha espera 350 mil para a festa de Santo Antônio

No domingo, será realizado o tradicional cortejo do Pau da Bandeira, da zona rural ao Centro de Barbalha

00:00 · 23.05.2018 por Antonio Rodrigues - Colaborador
Image-1-Artigo-2403722-1
Para enfeitar a cidade, 36 pessoas participaram da confecção dos adereços. Foram mais dois meses trabalhando manhã, tarde, noite e, muitas vezes, indo até o início da madrugada ( Fotos: Antônio Rodrigues )
Image-0-Artigo-2403722-1

Barbalha. Faltam pouco mais de quatro dias para o início da tradicional Festa de Santo Antônio, mas a cidade já está colorida para receber milhares de visitantes, a partir deste sábado (26), até o dia 13 de junho, data que homenageia o padroeiro. Com a autointitulada "maior festa de Santo Antônio do mundo", este Município do Cariri cearense abrirá os festejos juninos do País e pretende receber 350 mil pessoas durante todos os dias.

> Homenagens ao padroeiro iniciam-se no domingo

Na Rua do Vidéo, bandeirolas e balões estão espalhados de ponta a ponta, da Igreja Matriz até a Igreja do Rosário, com destaque para a Bandeira do Brasil, formada com a junção de cores, remetendo à proximidade da Copa do Mundo de futebol. Imagens de Santo Antônio em azulejos, faixas, bandeiras estão espalhados nas fachadas das casas.

Segundo o artista plástico Cícero José Pereira, responsável pela decoração no Centro Histórico de Barbalha, além de lembrar o Mundial de Futebol, que se aproxima, os itens deixam viva a cultura popular, na figura do Mateu, personagem do reisado que deixou o colorido da chita de lado para vestir verde e amarelo. Primeiro, foram feitas as bandeirinhas, depois os portais, em seguida, foram restaurados os bonecos gigantes criados há 20 anos. "Demos uma nova cara, fizemos Mateu pequeno, balões, peneira, abanos, balões gigantes, os estandartes até unir tudo e ficar uma harmonia junina, de cores", conta.

Arte atrações culturais

Ao todo, 36 pessoas participaram da confecção dos adereços. Foram mais dois meses trabalhando manhã, tarde, noite e, muitas vezes, indo até o início da madrugada. "Há dois meses que estamos nessa luta e vamos trabalhar até sábado para dar acabamento na barraca da noite das solteironas e ornamentar o Engenho Tupinambá", descreve o artista plástico. Barbalhense e apaixonado pela Festa de Santo Antônio, Cícero conhece bem o evento, já que seu avô foi o primeiro capitão do Pau da Bandeira e seu pai, carregador. "Barbalha tem a peculiaridade da cultura popular, em mais de 300 grupos vivos, atuantes", exalta.

A tradicional "Noite das Solteironas" inicia a festa, no sábado (26), às 20h, na Praça Engenheiro Dória, a Praça da Estação. O local terá barraca com produtos, que segundo Socorro Luna, a solteirona mais famosa do Brasil, ajudam as mulheres conseguirem casamento. São pedacinhos do Pau da Bandeira, imagens de Santo Antônio e diversas simpatias. Neste ano, haverá um casamento civil com 15 noivas, antecipando a cerimônia religiosa coletiva, no dia 3 de junho.

Oficialmente, a festa começa no domingo (27), com o tradicional hasteamento do Pau da Bandeira, que atrai milhares de pessoas da região e de várias partes do Brasil. Logo cedo, a população acorda ao som da Filarmônica São José e da banda Batutas do Rosário, que percorrem as ruas do Centro Histórico, junto com bandas cabaçais. A missa tem início às 8h, na Igreja Matriz, com a bênção da bandeira de Santo Antônio. Em seguida, um Pau da Bandeira menor parte de lá carregado por cerca de 150 crianças até a Praça do Rosário. Antes da celebração, cerca de 600 cavaleiros desfilarão pelo Centro, saindo do Estádio Inaldão à Igreja do Rosário, na II Cavalgada Santo Antônio.

De tarde, as ruas são tomadas por milhares de pessoas. Lado a lado, manifestações culturais dividem atenções com outros shows musicais. Três palcos estarão espalhados com bandas de forró, no Marco Zero, no Largo da Matriz e na Praça da Estação. É nessa hora que começa o cortejo do Pau da Bandeira, quando cerca de 200 homens, voluntários, carregarão o mastro de 24m, pesando duas toneladas do Sítio São Joaquim, onde foi extraído, ao pátio da Igreja Matriz.

Neste ano, a Prefeitura conseguiu apoio de R$ 1,3 mi, do Ministério do Turismo para as atrações nacionais. "Depois que festa se tornou patrimônio cultural do Brasil, abriu portas em Brasília", explica o secretário de Cultura e Turismo de Barbalha, Rômulo Sampaio. Além disso, haverá 80 grupos de tradição popular.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.