sustentabilidade

Água de esgoto é tratada para regar vegetação de praças

Iniciativa da Cagece e Prefeitura de Quixadá colabora com consumo e utilização consciente dos recursos hídricos

As praças José de Barros, da Estação, da Cultura, da Catedral, dos Crentes e do Cemitério Nossa Senhora do Carmo já mostram colorido especial ( Foto: Alex Pimentel )
00:00 · 11.11.2017 por Alex Pimentel - Colaborador

Quixadá. Bem estar, autoestima e consciência ambiental. Unindo essas três vertentes um modelo de revitalização de espaços públicos está sendo implantado em Quixadá através de uma parceria da Secretária de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente (Seduma) deste município com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). A água dos esgotos da cidade está sendo utilizada para aguar os jardins das praças públicas. O projeto está completando um mês. A grama já está ficando verdinha e as flores estão se abrindo novamente nos canteiros.

Essa foi a maneira encontrada pelos dois órgãos públicos, Municipal e Estadual, como demonstração eficiente de um modelo de sustentabilidade urbana. Além de não desperdiçarem a água destinada ao consumo humano, já começando a ficar mais escassa na região, à medida que a população for tomando conhecimento do reuso da água dos seus esgotos há possibilidade de também se conscientizar da importância do uso racional da água que chega às torneiras das suas casas, explica o titular da Seduma, Christian Quezado.

> Reutilização da água é viável para cultivo de mudas nativas

Quanto aos riscos para a saúde, no processo de tratamento, onde o esgoto bruto passa por filtragens, a maioria das impurezas é eliminada. Concluído todo o ciclo, fechado com a exposição da água ao sol, atinge mais de 90% de pureza, sendo desaconselhável apenas para o consumo e evitar o contato com a pele, apesar de todas as bactérias nocivas ao ser humano serem eliminadas. Por esse motivo o funcionário responsável utiliza os equipamento de proteção individual, explica o gerente regional da Cagece, engenheiro civil Petrônio Heleno Leite.

Para os dois representantes, da Seduma e da Cagece, apesar do curto período, o projeto, considerado piloto no Estado já demonstra eficiência. Essa mudança está sendo notada pela população. Para fazê-la funcionar a Cagece cedeu seis reservatórios de mil litros cada e está fornecendo a água, até então despejada em um manancial que corta a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). São disponibilizados em torno de 18 mil litros por dia, mas a ETE processa em média 60 mil litros a cada 24 horas.

Esses números poderiam ser maiores se a população se conscientizasse da importância dos esgotos das suas casas estarem ligados à rede coletora da Cagece. Entretanto, do total de sete mil unidades que podem interligar á rede apenas 1.750 o fizeram. Os principais motivos da baixa adesão são o custo adicional na conta de água, com a inclusão da taxa de esgoto e a necessidade de instalação da tubulação nos imóveis. Em muitos deles há a necessidade de cortar o piso de uma ponta a outra, acrescenta.

Enquanto esse problema não é equacionado, o que só vai ocorrer quando se tornar uma obrigatoriedade ou o governo subsidiar os custos para este fim as praças José de Barros, da Estação, da Cultura, da Catedral, dos Crentes e do Cemitério Nossa Senhora do Carmo estão começando a expor um colorido especial. Duas vezes ao dia o jardineiro passa com o seu auxiliar despejando água nos canteiros, . O modelo de sustentabilidade urbana também deverá ser expandido para os bairros da periferia. Todas as praças da cidade estavam acabadas.

"Agora, a prefeitura de Quixadá pretende adquirir um carro-pipa específico para o transporte da água de reuso e expandir o projeto para todos os bairros da cidade. Um grupo de empresários está apoiando a iniciativa, inclusive doando grama para o plantio nos canteiros das praças. Resta agora a população colaborar, não depredando as praças", comentou Quezado feliz com os resultados já alcançados

Estação de Tratamento

Segundo o supervisor de Esgoto e Meio Ambienta do núcleo regional da Cagece, o tecnólogo em Saneamento e Mestre em Engenharia Urbana e Ambiental, Cleyton Oliveira, o tratamento biológico realizado na ETE de Quixadá segue os padrões nacionais. A estrutura possui inclusive um Reator Anaeróbico de Fluxo Ascendente. Nele, bactérias que vivem sem oxigênio se encarregam do primeiro processo. Em seguida a água passa pelo decantador lamenar e por fim é despejada nas lagoas de polimento, como são chamados os tanques onde o líquido é mantido a céu aberto.

A esse respeito o especialista explica que 99% do esgoto doméstico é água. O restante é composto por impurezas orgânicas e sólidos, como exemplo areia. Preservativos e outros itens pessoais também costumam descer esgoto abaixo, todavia, o mais prejudicial deles para o sistema de tratamento é o cabelo feminino. Surge em buchas se tornando muito resistente, entupindo o rotor das bombas. A mudança desse hábito reduzirá despesas com a manutenção, ressalta.

Interesse Municipal

Sobre a iniciativa do reuso da água do esgoto Cleyton Oliveira acrescenta já existir em outras cidades. São Paulo é um exemplo, mas é realizada nos parques industriais. No Caso de Quixadá, a ideia já existia há algum tempo, mas a administração municipal anterior não tinha interesse. Como o atual secretário do Meio Ambiente do Município já gerenciou a Cagece regional e tem conhecimento da área e sabe da importância ambiental apoio imediatamente a proposta da Cagece. Na opinião do tecnólogo a população vai começar a se acostumar com o reuso da água do esgoto a partir dessa nova proposta. "Muitos já vivem essa realidade e nem percebem". Ele se refere ao Açude Euripedes, no entorno da cidade. Boa parte da água de esgoto tratada na estação da Cagece é despejada lá através de um córrego. No lago há pesca e plantio nas suas margens. Essa mesma água pode ser utilizada para irrigação de vegetais não consumidos diretamente pelo homem como também para usos menos nobres, cola lavar calçadas e apagar incêndios.

Mais informações:

Cagece Quixadá

Telefone: (88) 3445-1048

Seduma

Telefone: (88) 3412-3864

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.