Forças armadas

Vereador pede ajuda à Segurança

01:00 · 11.08.2017

O vereador Frota Cavalcante (PTN) defendeu ontem, na tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza, que as Forças Armadas sejam convocadas para participar do combate à criminalidade no Estado do Ceará. Para ele, a situação de violência que o País enfrenta é equivalente a de conflitos armados. "Qual a diferença entre uma guerra declarada entre dois países e a guerra que estamos vivendo hoje?".

De acordo com o parlamentar, a proposta é que as tropas federais sejam empregadas em Fortaleza da mesma maneira que estão sendo utilizadas no Rio de Janeiro. "Acho que deveríamos pedir apoio aos ministérios do Exército, da Marinha, da Aeronáutica, e fazer como se fez no Rio, colocando os soldados nas ruas para dar uma sensação de segurança à população, porque não podemos mais conviver com isso", defendeu.

O vereador diz que o bairro onde mora e tem atuação política, o Vila Velha, vem enfrentando grandes dificuldades na área da Segurança Pública. "A população está toda presa dentro de casa, com medo. Não tem quem tenha coragem de ir até a uma venda comprar o que quer que seja". O parlamentar afirma que a comunidade tem sido obrigada a conviver com assaltos e homicídios. "É uma situação extremamente difícil e nós precisamos dar um basta, porque não é moleza", declarou.

Retroceder

O vereador, entretanto, defende a atuação do Governo do Estado na Segurança Pública. Ele agradeceu ao governador Camilo Santana (PT) por ter ampliado o efetivo das forças policiais na área. "Embora haja deficiência na Segurança, mas reconheço o trabalho do governador com relação ao esforço de melhorar a nossa Segurança", disse.

De acordo com o parlamentar, a expectativa é de que a sensação de insegurança comece a retroceder. "Eu quero crer que, em breve, vai minimizar essa situação, porque não dá para conviver com isso", explicou. Outros vereadores também reclamaram da insegurança em vários pontos da Capital cearense.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.