transporte

Secretário municipal esclarece aos vereadores

00:00 · 05.04.2018 / atualizado às 00:30

O secretário municipal de Conservação e Serviços Públicos, João Pupo, declarou ontem, na Câmara Municipal de Fortaleza, que um dos principais objetivos das mensagens da Prefeitura com novas regras para táxis e regulamentação do transporte individual privado - categoria na qual se enquadram empresas como Uber e 99Pop - é "pacificar a cidade". De acordo com ele, a hostilidade entre as duas categorias tornou-se insuportável.

"A gente não aguenta mais o conflito no meio da rua, no aeroporto", disse. Ele falou para os vereadores da Capital a pedido da liderança do Governo para explicar as três mensagens que começaram a tramitar no dia anterior. Segundo Pupo, as regras propostas foram construídas conjuntamente com as categorias envolvidas justamente para evitar novos conflitos.

"A gente conseguiu esse grande acordo. Foi algo demorado, sofrido, mas conseguimos", declarou. As regras, no seu entender, proporcionarão maior concorrência e mais segurança. "Com essas soluções, o que se quer alcançar é um serviço público melhor para o fortalezense, com concorrência, que é sempre interessante, e valores menores nas tarifas para que a população tenha seu direito de ir e vir mais moderno e barato", explicou.

Pela proposta da Prefeitura, uma série de exigências passará a ser feita aos profissionais do transporte privado, como carteira de motorista com autorização para atividade remunerada, realização de curso de formação, além da cobrança de 5% dos valores repassados às empresas e de 2% do valor total de cada corrida. O objetivo, segundo o Paço, é facilitar a fiscalização e a formulação de políticas.

Segundo Pupo, ainda não há expectativas de quanto será a arrecadação da Prefeitura, caso as novas regras sejam aprovadas da maneira como foram encaminhadas à Casa. Para ele, a realidade do transporte individual privado ainda é novidade. "Não posso adiantar isso, porque seria um tiro no escuro", declarou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.