Uber e 99Pop

Regulamentação de aplicativos de transporte motiva discussões

01:00 · 17.05.2018

Vereadores foram à tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza, ontem, para defender a proposta, aprovada pela Casa, de regulamentação do transporte individual privado - categoria na qual se incluem empresas como Uber e 99Pop. Eles avaliam que a matéria, que teve a redação final aprovada ontem, seguindo para sanção do prefeito Roberto Cláudio (PDT), é a melhor para a cidade e as críticas feitas a ela não têm sustentação.

"Esse acordo foi celebrado aqui por vereadores que entendiam que esse era o melhor modelo", declarou Márcio Martins (PR). De acordo com ele, a tributação aprovada pela Casa - de 5% do valor pago às empresas mais 2% do valor total da corrida - deve ter um impacto mínimo sobre o preço das viagens.

Já Márcio Cruz (PSD) rebateu críticas da empresa Uber ao projeto em relação a tributações e burocracias excessivas. Para o vereador, as modificações feitas pelos parlamentares flexibilizaram a mensagem, o que seria benéfico para a modalidade. "Estou pensando seriamente em pedir ao prefeito que vete as minhas emendas", reclamou. Já o vereador Adail Jr. (PDT) criticou as acusações de que os vereadores teriam "se vendido".

Célio Studart (PV), único a votar contra o texto, também foi alvo de críticas. Sem citar Studart diretamente, Márcio Cruz o chamou de "demagogo", por ter publicado em rede social que a mensagem "retiraria direitos". Adail, por sua vez, reclamou que o vereador do PV "não participou de uma reunião de comissão e depois vem dizer que só ele votou contra". Segundo o pedetista, Célio Studart desconhecia o conteúdo do projeto.

O parlamentar do PV, por sua vez, declarou que tinha ciência do conteúdo da matéria e que discordava dele. Ele argumentou, ainda, que tem um compromisso de campanha contra aumento de tarifas e que não fez parte de nenhum acordo sobre o texto. "Agora, eu não posso chegar aqui e votar 'não' porque vai incomodar um grupo de vereadores?", questionou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.