Plenário da Assembleia

Questões municipais geram debate sobre 'fake news'

01:00 · 26.04.2018 / atualizado às 01:15
Image-0-Artigo-2392476-1
O presidente do Legislativo, Zezinho Albuquerque, pede "consciência" dos colegas na tribuna ( Foto: Saulo Roberto )

Em ano eleitoral, o número de pronunciamentos que tratam de assuntos municipalizados aumenta na Assembleia Legislativa, e deputados passam a travar uma disputa na tribuna da Casa para agradar suas bases eleitorais, o que é visto com preocupação por membros da Mesa Diretora do Legislativo. Diante de pronunciamentos vistos como eleitoreiros, alguns ficam incomodados com informações duvidosas que são levadas à tribuna, visto o cenário de propagação das chamadas "fake news".

Na última terça-feira (24), o deputado Capitão Wagner (PROS) denunciou suposto caso de ilicitude envolvendo o prefeito de Acarape, que, segundo ele, teria nomeado para o cargo de assessor da gestão "um criminoso ligado às facções criminosas". A informação foi contestada, ontem, pelo líder do Governo, Evandro Leitão (PDT), que acusou o opositor de difundir "fake news" no púlpito da Casa.

Segundo o pedetista, não houve qualquer nomeação de pessoa de nome "Rafal Fininho", conforme Wagner havia denunciado um dia antes. "Isso é uma mentira da oposição. Essa fraude tosca foi replicada aqui por um parlamentar que não quis verificar a veracidade, embora tenha afirmado que o fez. Querem usar uma estratégia para se capitalizar eleitoralmente. Será que em um pleito eleitoral pode tudo?", questionou Leitão.

O deputado Osmar Baquit (PDT), por sua vez, defendeu que é preciso ter responsabilidade ao utilizar a tribuna, visto que as imagens são transmitidas por uma TV pública. "A Casa tem que chamar o Colégio de Líderes, conversar. Temos uma televisão pública que está sujeita à legislação eleitoral, e o Ministério Público está acompanhando tudo isso", destacou.

Consciência

O presidente da Assembleia, Zezinho Albuquerque (PDT), disse que não vai "patrulhar" os colegas, já que cada deputado precisa ter consciência de que discussões municipais devem ser realizadas nas câmaras. "Mas isso não impede que um assunto de relevância seja tocado aqui. Acredito que, na campanha, os parlamentares não vão trazer grandes problemas para cá".

Já Fernanda Pessoa (PSDB), que apoia a oposição em Acarape, evitou se manifestar durante a discussão entre Wagner e Evandro Leitão. No entanto, ela destacou que é preciso ter cuidado ao levantar debate na tribuna. "Fica muito ruim quando você sobe à tribuna e é chamado de mentiroso ou que está praticando 'fake news'. É preciso ter responsabilidade, até porque toda denúncia precisa ser provada".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.