PRÉ-CANDIDATURA PRÓPRIA

PTC lança ex-vereador para o Governo do Estado

01:00 · 07.02.2018
Image-0-Artigo-2359848-1
Ciro Albuquerque, pré-candidato a governador, não apoia postulação de Collor a presidente ( Foto: SAULO ROBERTO )

O Partido Trabalhista Cristão (PTC) lançou ontem, em solenidade na Assembleia Legislativa, a pré-candidatura do ex-vereador de Fortaleza, Ciro Albuquerque, ao Governo do Estado. Além de não contar com o apoio de vereadores da legenda com mandatos na Capital cearense, a agremiação no Estado é contra a postulação do senador Fernando Collor de Melo (PTC-AL) à Presidência da República.

Em discurso no plenário do Senado, ontem, Fernando Collor apresentou as diretrizes da pré-candidatura e declarou que ela representa a "retomada de uma missão pelo País". Ciro chamou de "excrescência" eventual postulação de Collor a presidente, e opinou que a pré-candidatura demonstra a fragilidade partidária no Brasil.

"Os partidos políticos são meros balcões de negócios. Não posso votar naquele senhor e acho um absurdo, porque os partidos não deveriam aceitar esse tipo de candidatura", reclamou o pré-candidato Ciro. Ele destacou que analisará a situação, mas já declarou que, sendo ele candidato ao Governo do Estado, não estará em palanque de Collor.

O secretário do partido, o ex-vereador Robert Burns, que chegou a ser sondado como possível pré-candidato ao Senado, também fez críticas ao nome do senador que quer disputar a Presidência. O presidente do partido, Aldenor Figueiredo Brito, ressaltou que os possíveis nomes do PTC no Ceará ao Senado ainda devem ser apresentados.

Ainda que o nome de Ciro Albuquerque tenha sido colocado como pré-candidato, o próprio postulante afirmou ao Diário que a sigla está aberta a conversas com outras legendas. O PTC chegou a dialogar com partidos para formar coligação proporcional, mas as negociações não vingaram.

Não compareceram ao encontro de ontem quaisquer representantes de outros partidos, nem mesmo as vereadoras da sigla em Fortaleza, aliadas do prefeito Roberto Cláudio (PDT) e do governador Camilo Santana (PT): Lucimar Vieira Martins, a "Bá", e Cláudia Gomes.

Fechar questão

De acordo com Aldenor Figueiredo, as parlamentares têm atuação em bairros da Capital e, por serem candidaturas populares, precisam estar ao lado "do gestor de plantão". "Não podemos esconder o sol com a peneira. Nós fizemos o convite. Se elas não vieram, é uma opção delas. Mas vamos fechar questão, porque estamos dando a liberdade momentaneamente. Mas quando chegar o momento, teremos que fazer uma adequação".

Sobre eventual candidatura de Fernando Collor, Aldenor destacou que o partido no Ceará aguarda um comunicado oficial da agremiação em âmbito nacional para "discutir a temática". Caso o PTC no Estado desacate determinação nacional, a direção estadual pode ser dissolvida, uma vez que é apenas uma comissão provisória e pode sofrer intervenção da direção nacional a qualquer momento.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.