sucessão estadual

Oposicionistas não conhecem o general do PSDB

Hoje ele é o único nome dos adversários do governador Camilo Santana, com mais chance de ser candidato

Deputado Genecias Noronha, presidente estadual do Solidariedade, não demonstra simpatia pelo nome, mas diz que não o conhece ( Foto: Saulo Roberto )
01:00 · 01.05.2018

Apresentado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB) como potencial nome da oposição à disputa majoritária no Ceará, o general Guilherme Theophilo ainda não teve contato coletivo com as lideranças dos demais partidos de oposição. Alguns deles reclamam audiência com o general para saberem de suas ideias e organizarem eventos com ele nos municípios cearenses.

De acordo com o presidente do PSD no Ceará, o deputado federal Domingos Neto, não há nada resolvido na oposição, nem mesmo o nome do pré-candidato ao Governo Estado. "Essa definição do nome do general é de dentro do PSDB. Não houve nenhuma reunião para decidir isso e nem sobre coligação", disse ele ressaltando que o grupo poderá se reunir após o feriado.

Segundo informou, há disposição dentro do partido para levar o tucano neófito até as bases eleitorais da legenda, mas ele ressalta que a presença do militar é tão recente que não dá para avaliar qual seria a aceitação da população. "Eu ainda nem o conheço pessoalmente", disse.

Ele ressaltou também que existe muitas dúvidas sobre a pessoa de Theophilo, mas tudo por conta do desconhecimento da figura dele. Conforme informou, a indefinição dentro da oposição cria um sentimento de falta de unidade. No entanto, lembra que com a decisões tomadas será fácil organizar o grupo.

O presidente do Solidariedade (SD), deputado federal Genecias Noronha, afirmou que, "partindo do princípio que é uma pessoa que nem o Ceará conhece, não posso avaliar nem vetar". Ainda de acordo com o deputado, o general terá que fazer visitas pelos municípios do Estado para tentar convencer o eleitorado. "Se ele conseguir convencer o cearense que ele tem boas propostas, tudo bem. Não sou eu quem vai vetar".

Genecias demonstrou pouco interesse em apoiar uma eventual candidatura de Guilherme Theophilo, ainda defendendo os nomes do senador Tasso Jereissati (PSDB) ou do deputado Capitão Wagner (PROS) para encabeçar a chapa da oposição. "Do contrário, continuo na linha de independência. Não sou obrigado a apoiar nem A nem B, porque jamais vou aceitar um candidato que não tenha potencial pra ser governador. Não quero dizer que ele não tenha capacidade", concluiu.

O presidente do PSDB no Ceará, Francini Guedes, por outro lado, aposta no nome do general para a candidatura majoritária. "É nosso candidato", disse. Segundo ele, toda a oposição estará reunida ainda neste mês para discutir pautas inerentes aos interesses do grupo político. Conforme informou, ainda há muita indefinição sobre a chapa, inclusive a proporcional do grupo, visto que existem partidos que querem coligar e outros não.

Pesquisa

"O Wagner não quer coligação. E aí, vamos coligar com o Solidariedade, com o PSD? Depois de discutirmos isso daí, temos que saber quem será o candidato a vice. Quem são os candidatos ao Senado? Isso tudo tem que ser colocado, e deve demorar uns 10 ou 15 dias. Mas se Deus quiser, vai dar tudo certo", disse o dirigente.

O PSDB aguarda a pesquisa que mandou fazer já com o nome do general Theophilo, para sentir a receptividade do eleitorado e ter mais consistência na discussão com os demais partidos da oposição cearense.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.