Operação Inselberg: Prefeito, secretários e vereadores afastados

16:41 · 15.07.2011 por Alex Pimentel
A pedido da Procuradoria dos Crimes contra a Administração Pública (Procap) o Tribunal de Justiça do Ceará acatou denúncia e afastou das funções públicas o prefeito de Ibaretama, Francisco Edson de Moraes, o secretário de Obras Raimundo Rodrigues Filho, o secretário de finanças Francisco Júnior de Queiroz da Silva, o tesoureiro Armando Gomes de Oliveira, o engenheiro fiscal Roberto Roque Pires e os vereadores Francisco Oliveira e José Maria Cunha.

No despacho o desembargador Francisco Haroldo de Albuquerque requereu a quebra dos sigilos bancário e fiscal, do prefeito de Ibaretama e de seus auxiliares: Raimundo Rodrigues Filho, Francisco Júnior de Queiroz da Silva, Amália Lopes de Sousa, Almir Pereira de Sousa, Almir Pereira de Sousa Júnior, Francisco de Assis de Sousa, José Adécio Bezerra, Francisco Eliton de Moraes, Carlos Henrique Vieira Pinheiro e Narcélio Limaverde Júnior. O primeiro no período de janeiro de 2009 a janeiro de 2011; o segundo de 2005 a 2010.

Os promotores de Justiça auxiliares da Procap, Luiz Alcântara Costa Andrade e Eloilson Augusto da Silva Landim, realizaram as investigações. Contando com o apoio da Polícia Federal, no fim de maio eles realizaram coordenaram a Operação Inselberg, como foi batizada a ação na qual foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão e 21 mandados de prisão.

Os vereadores Francisco Oliveira Filho, vice-presidente da Câmara Municipal e José Maria Cunha foram presos. Ganharam liberdade na tarde da última quinta-feira, 14, após pagamento de fiança de R$ 5mil. Até o fim da tarde desta sexta-feira, 15, o secretário de Obras de Ibaretama continuava recolhido na Companhia Policial Militar de Quixadá.

Todos são acusados de formação de quadrilha, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, licitações fraudulentas com desvio de dinheiro público, peculato e empréstimos consignáveis com comprometimento de até 90% dos vencimentos de alguns servidores.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.