Presidente da AL

Maioria da base aliada é contra 'blocão', diz Zezinho

01:00 · 18.06.2018
Image-0-Artigo-2414959-1
Presidente da AL diz que a decisão sobre coligação será tomada com lideranças do grupo ( Foto: Saulo Roberto )

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Zezinho Albuquerque (PDT), reafirmou, em entrevista ao Diário do Nordeste, ser contrário à constituição de um "blocão" com todos os partidos da base aliada do governador Camilo Santana (PT) para a disputa proporcional. Segundo ele, a maioria dos partidos também tem se colocado contra tal coligação, visto que muitos pretensos candidatos ficariam de fora da disputa.

> Partidos da base pouco participam do Governo 

Para o pedetista, o ideal seria dividir as legendas em dois grandes grupos e, desta forma, dar mais chances de eleição ao maior número de candidatos aliados do governador. "Não tem condições de se montar um 'blocão'. São 69 vagas e temos aqui até 36 candidatos por partido. Temos que optar por outras alternativas", disse Albuquerque, ressaltando ainda que essa decisão está sendo formalizada com as lideranças partidárias do grupo político liderado no Ceará por Ciro e Cid Gomes.

"Temos vários partidos que não querem o 'blocão', outros querem coligação com partidos menores e outros com partidos maiores. Isso vai se afunilando com o tempo. Os nossos líderes estão pensando e, depois, vão conversar com os deputados, chamam todo mundo para um diálogo", acrescentou.

Para Zezinho Albuquerque, a campanha reduzida, de 45 dias, será benéfica principalmente aos candidatos à reeleição, visto que os novatos terão pouco tempo para se apresentarem à população. No entanto, ele disse que a falta de credibilidade do homem público também será determinante na hora do voto. "Por isso, nós, deputados, temos que estar diuturnamente ouvindo a população e apresentando projetos de melhoria de suas vidas".

O pedetista ressaltou, ainda, que todos da legenda estarão envolvidos na campanha de Ciro Gomes à Presidência da República, e que Cid Gomes deve ser mesmo o nome do PDT para o Senado. O deputado também se posicionou sobre mal-estar ocasionado por declarações de Ciro Gomes sobre eventuais apoios de DEM e PP.

Preparação

Para Zezinho Albuquerque, o presidenciável pedetista apenas tentou evitar ser deselegante com os prováveis pré-candidatos dessas legendas e teria sido mal interpretado. "Qualquer notícia que sai agora pode gerar mal-estar. Neste caso, o Ciro está dizendo que a prioridade agora é o PSB e o PCdoB. Ele vai procurar o PSB, porque o partido não tem candidato, e o PCdoB, porque ele tem proximidade com a Manuela (D'Ávila)", justificou.

O pedetista acredita, ainda, que Ciro Gomes estará no segundo turno da disputa eleitoral deste ano por, segundo ele, ser o candidato mais preparado e por conhecer a realidade de todas as regiões do Brasil. De acordo com ele, todas as legendas aliadas estão dialogando entre si em busca de êxito no pleito de outubro. No entanto, para o parlamentar, as definições pra as eleições vindouras ficarão somente para o início de agosto próximo.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.