a tribuna como palanque

Discursos eleitoreiros estão na ordem do dia das sessões

01:00 · 06.03.2018
Image-0-Artigo-2370783-1
Para o deputado Leonardo Araújo, a tribuna da Assembleia é espaço para temas políticos ( FOTO: JOSÉ LEOMAR )

Além de estar sendo utilizada para propagar disputas localizadas entre deputados da Assembleia Legislativa, a tribuna da Casa também tem motivado críticas sobre estar sendo espaço de campanha antecipada pelos deputados. Nas últimas semanas, por diversas vezes, alguns nomes de postulantes ao Governo do Estado ou à Presidência da República foram exaltados ou criticados no curso das sessões ordinárias, no tempo reservado aos pronunciamentos.

Durante a sessão ordinária de sexta-feira passada, o deputado Capitão Wagner (ainda no PR), subiu à tribuna para cobrar uma maior fiscalização por parte do Ministério Público devido a suposta campanha antecipada que estaria sendo praticada, segundo ele, pelo presidenciável Ciro Gomes, do PDT, na Região do Cariri, no evento de seu partido, denominado de "Rumo 12".

"Se fosse eu fazendo campanha da minha pré-candidatura, o Ministério Público chegava ao local antes de mim", apontou o republicano.

Uma semana antes, porém, era a oposição que exaltava o nome de Wagner para o Governo do Estado, o que levou alguns governistas a criticarem o posicionamento do republicano. Na ocasião, Roberto Mesquita parabenizou o Capitão por sua atuação no Legislativo Estadual.

Inviolabilidade

Heitor Férrer (PSB) acrescentou que as crises existem para gerar soluções, e uma que teria sido gerada foi a pré-candidatura de Wagner ao Governo do Estado. "É um porto seguro que nós da oposição já temos", disse. Os discursos em tom de campanha não agradaram os governistas da Casa, que chegaram a denominar de "hipocrisia" as críticas feitas por Capitão Wagner, na última sexta-feira, contra Ciro Gomes.

"Todo mundo já está fazendo essa pré-campanha. É uma dose de hipocrisia muito grande alguém estar criticando quem está em pré-campanha, sendo que ele também está fazendo", disse o deputado Manoel Santana, do PT. Segundo ele, o Parlamento vem sendo utilizado por todos os seus integrantes como meio de divulgação de suas ideias e, consequentemente, realizando campanha antecipada, a chamada "pré-campanha".

Julinho (PDT), por sua vez, disse que o pré-candidato Ciro Gomes está visitando todos os lugares do Brasil já há algum tempo, uma vez que precisa apresentar um projeto para o País. Da mesma forma, o governador Camilo Santana tem realizado diversas atividades, principalmente quando do lançamento de projetos ou conclusão de obras.

Para Leonardo Araújo (PMDB), o uso da tribuna para tratar de assuntos políticos ou eleitorais está dentro da normalidade do Parlamento. "A Assembleia é uma Casa política. O Ministério Público não pode se envolver com o que é dito na tribuna, porque os deputados, além da imunidade parlamentar, possuem a inviolabilidade da palavra", disse.

Osmar Baquit (sem partido) chamou Capitão Wagner de "incoerente", visto que critica Ciro "e faz o mesmo, vai à tribuna e diz em todo canto que é candidato". "Ele está colocando o nome dele, isso não é campanha antecipada? Só serve para os outros? O Ciro tem que colocar o nome dele para o Brasil, da mesma forma que cada um que queira tem que colocar seu nome para a população", afirmou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.