De olho na reeleição

Discurso do 'novo' desafia veteranos

01:00 · 10.01.2018

Há décadas ocupando cargos políticos e ainda dispostos a concorrerem ao quinto, sexto ou sétimo mandato nas eleições deste ano, deputados estaduais veteranos da Assembleia Legislativa apontam as redes sociais como um dos desafios para impulsionar suas campanhas em 2018. Isso porque, segundo eles, o momento de crise política, além de tornar o eleitor mais exigente e vigilante às ações dos mandatários do poder, tem favorecido o surgimento de "salvadores da pátria" e de movimentos a favor da renovação dos parlamentos. Por outro lado, esses parlamentares mais "velhos" acreditam que a experiência no Poder Legislativo fará com que eles larguem na frente de candidatos novatos.

Nem mesmo a promessa de renovação dos quadros da política neste ano, diante do cenário de descrença da população, parece abalar o projeto de reeleição de alguns parlamentares. Para o deputado João Jaime (DEM), que está no quarto mandato na Assembleia, a maior preocupação está relacionada às regras do processo eleitoral e à influência da Internet junto ao eleitor.

"A massificação dos smartphones fez com que todo mundo tivesse acesso. Agora, não é só postar ou participar de grupos que vai resolver, tem que ter conteúdo e ser verdadeiro no que você está informando. Pode ajudar, mas também pode prejudicar", aponta. "Acho que uma parte significativa do eleitorado vai observar mais os candidatos, mas a grande maioria vai continuar votando da mesma forma que sempre votou", prevê.

Experiência

Na vida política desde 1988 e no sexto mandato de deputado estadual, José Sarto (PDT) argumenta que disputará a reeleição neste ano porque quer "melhorar a representação política" diante de uma "desqualificação" do Parlamento ocorrida nos últimos anos. "Como a política não deixa espaços vazios, não existe vácuo, alguém tem que preencher, e acho que ainda tenho que contribuir um pouquinho na ambiência do meu partido, dar minha contribuição".

Contabilizando 27 anos no Legislativo Estadual e planejando ir para o sétimo mandato, Fernando Hugo (PP) concorda que as redes sociais, embora sejam "a maior de todas as comunicações do mundo atual", abrem espaço para o surgimento de "salvadores da pátria" que ofertam propostas "populistas, mirabolantes, enganadoras e falaciosas". No entanto, ele afirma que a experiência no Parlamento é uma vantagem em relação aos candidatos neófitos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.