coluna

Paulo Cesar Norões: Sem muita comemoração

pc

Paulo Cesar Norões

Colunista de Política • pcnoroes@diariodonordeste.com.br

01:00 · 14.07.2017

Articulação do governo na Comissão de Constituição e Justiça funcionou e o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que recomendava a admissibilidade da denúncia contra Michel Temer, foi derrotado na CCJ, por 40X25 e uma abstenção. Vitória, porém, comemorada de forma bem discreta pelos fiéis ao presidente. Até pela forma como foi conseguida. Desconfiado de possíveis traições, os partidos da base trocaram dezessete membros da Comissão, dos quais doze titulares com direito a voto. Portanto, não há nada que assegure nova vitória no Plenário, na votação definitiva. Para completar, poucos acreditam que o novo relatório seja votado até segunda. Nesse caso, vitória da oposição, que fez o que pôde para obstruir os trabalhos para ver Temer sangrando até o fim do recesso, em agosto.

Olho nele

Image-0-Artigo-2268849-1

Em meio às idas e vindas e seguidos confrontos na CCJ, pelo menos uma unanimidade: a postura do deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), elogiado tanto por governistas quanto por oposicionistas pela condução equilibrada dos trabalhos. Nome, aliás, já comentado nos bastidores da Câmara para suceder o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ), caso este venha a assumir a presidência da República.

Risco

Ao justificar voto contra o parecer do relator Sergio Sveiter, deputado Danilo Forte invocou 1964, quando o Congresso Nacional, atendendo clamor de parte da população, legitimou a queda de João Goulart e a instalação do regime militar. Permitir o processo contra Temer e seu consequente afastamento, segundo Danilo sem prova material, é para ele abrir jurisprudência para golpistas de ocasião.

FGs no ataque

Ivo Gomes, no Facebook, reforçou a linha adotada pelo irmão Ciro. Bateu duro na postura de amigos petistas, que "não lembram das marmotas da alta burocracia do PT" e que foi Lula que "prestigiou a alta bandidagem brasileira", além de botar Temer na linha de sucessão. E critica a possível candidatura dele: "Representa a revanche, o ódio, a intolerância, o Fla-Flu despolitizado e medíocre".

Maracanaú

Deputado Júlio César Filho (PDT), o Julinho, fez parte da comitiva que entregou oito novas viaturas em Maracanaú. Também participou da solenidade o vereador Júlio Cesar, pai dele, ex-prefeito e hoje vereador do município. Julinho tem a promessa do governador Camilo da instalação de um Batalhão do Raio e da Delegacia Regional de Maracanaú, até o final de 2017.

PEC do TCM

Oposição queria pauta cheia, mas os governistas deixaram o plenário pouco depois do meio-dia de ontem e acabaram com a sessão da Assembleia. Objetivo, segundo oposicionistas, era um só: empurrar as votações até terminar o prazo do pedido de vistas do deputado Capitão Wagner à PEC do TCM. Mais um capítulo da aparentemente interminável guerra sobre o destino do Tribunal.

"Se alguém acha que é ruim com ele, sem ele é muito pior"

Alceu Moreira, deputado federal (PMDB-RS), ao defender da CCJ a não admissibilidade da denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer

Tem mais...

Paralelamente à guerra na Assembleia, TCM segue correndo para provar sua utilidade. Setor de Fiscalização do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) fechou o primeiro semestre de 2017 com 8.467 relatórios técnicos produzidos.

Parte dos ônibus interbairros de Fortaleza passará a utilizar somente a porta dianteira para a subida dos passageiros, a partir da próxima segunda-feira. É um teste. Sindicato dos Motoristas, porém, desconfia que o teste é para acabar com a função de trocador. O motorista exerceria as duas funções.

Senador Tasso Jereissati foi prestigiar a Expocrato. E foi recebido no aeroporto, ontem, pelas jovens lideranças tucanas do Cariri: Aloísio Brasil e Rosemberg de Freitas, presidentes do PSDB do Crato e Juazeiro do Norte, respectivamente, e prefeito Argemiro Sampaio, de Barbalha.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.