Coluna

Paulo Cesar Norões: Nas mãos do Judiciário

pc

Paulo Cesar Norões

Colunista de Política • pcnoroes@diariodonordeste.com.br

01:00 · 22.01.2018

Seguindo a tendência da judicialização da política nacional, o TRF-4, em Porto Alegre, realiza, na quarta-feira, dia 24, o julgamento que marca a abertura - não oficial - do calendário eleitoral do País. A despeito das opiniões a respeito da legitimidade ou não

Da ação contra o ex-presidente Lula, o resultado do julgamento é, sem dúvida, o principal fato político do País desde a absolvição de Michel Temer em duas denúncias oferecidas pelo Ministério Público Federal. Movimentos de esquerda deixam de lado as divergências e preparam atos e discursos em defesa de Lula. Partidos e movimentos de direita injetam também energias para que a condenação de primeira instância seja mantida. Com a classe política nacional em frangalhos, não poderia sair senão da Justiça a 1ª decisão política de 2018.

Conjuntura

Pré-candidato à Presidência da República, Ciro Gomes publicou em suas redes sociais nota de apoio a Lula. Nas andanças pelo País, Ciro tem feito um misto de críticas das alianças e posturas políticas tomadas pelo lulismo e elogios de algumas políticas implantadas pelos governos petistas. Para além da conjuntura, Ciro sabe que pode ser uma opção ao PT, caso Lula não saia candidato.

Image-0-Artigo-2353069-1

Articulação

Nos bastidores da política cearense, circulam informações de que o presidente da Assembleia, Zezinho Albuquerque, é cotado para ser o candidato a vice-governador da chapa de Camilo Santana. Como na Política tudo muda a todo instante, o parlamentar ainda admite sair candidato a deputado. E segue fazendo articulações. No fim de semana, esteve em Tianguá.

Dobradinha

Líder do governo Luizianne (PT) na Câmara Municipal de Fortaleza, o vereador Guilherme Sampaio (PT) prepara candidatura a deputado estadual nas próximas eleições. A sintonia com a ex-prefeita segue em alta. Os dois devem fazer dobradinha na busca por votos, pois Luizianne deve tentar reeleição para a Câmara Federal.

Perde o governo

No fim de semana, o STJ, finalmente, liberou a posse da deputada Cristiane Brasil como nova ministra do Trabalho. A posse, de imediato, acontece hoje. Mesmo com a derrubada da liminar, o governo Temer teve uma fragorosa derrota. Preferiu seguir a lógica do conchavo político a escolher um ministro com conduta ilibada para assumir o cargo tão específico.

Criminosos

A respeito do que já falamos aqui, a situação de penúria em que se encontra a política nacional segue criando monstros. Não é admissível que um grupo com visões totalitárias e tendências fascistas saia por aí destilando ódio e agredindo pessoas à luz do dia, como se isso fosse pura e simples visão política. É crime, está previsto em lei e merece repreensão.

"Qualquer que seja o resultado, vamos entrar num período muito difícil, numa escuridão. Se for absolvido, vai gerar suspeição sobre a Lava-Jato. Se for condenado, vai gerar uma suspeição sobre a política"
Cristóvão Buarque, senador, sobre o julgamento de Lula no TRF-4.

Image-1-Artigo-2353069-1

Tem mais...

Faltou voto: O ex-prefeito de Fortaleza, Juraci Magalhães, falecido em 2009, foi o gestor público que mais tempo passou à frente da Prefeitura de Fortaleza nos últimos 100 anos. Ele comandou o Município entre 1990 e 1992 e de 1997 a 2004. Juraci se tornou uma das figuras mais caricatas da política cearense. Seus governos enfrentaram sérias denúncias de corrupção, entre elas o escândalo do desvio de merenda escolar. Mas também tiveram suas gestões a forte marca da realização de obras de infraestrutura. Em 2006, participou de sua última campanha eleitoral. O desgaste político fez minguar a popularidade que resultou em três mandatos de prefeito, e ele acabou não se elegendo. Os relatos de repórteres que trabalharam à época contam com bom humor a resposta dele sobre o que faltou para que tivesse sido eleito: "Faltou voto. Só isso".

*Inácio Aguiar, redator interino.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.