Coluna

Paulo César Norões: campanha de militantes

pc

Paulo Cesar Norões

Colunista de Política • pcnoroes@diariodonordeste.com.br

01:00 · 15.09.2018

Não bastasse estar preso a um quarto de hospital, impedido de fazer campanha, justo quando o período eleitoral caminha para seu momento decisivo, Jair Bolsonaro não tem uma estrutura partidária que dê seguimento na campanha durante sua ausência. Todas as decisões são tomadas no âmbito familiar, entre os filhos do presidenciável. Nem mesmo o General Mourão, candidato a vice, ou Paulo Guedes, o tal 'Posto Ipiranga' de Bolsonaro, que responde pela formulação do programa econômico do candidato, têm alguma ingerência nas decisões. O fato é que os dias vão passando, a eleição se aproximando, e o noticiário acerca do líder das pesquisas se restringe aos boletins médicos. É pouco, já que o candidato tem míseros segundos na propaganda gratuita. Sorte dele que, mesmo assim, a militância não esmoreceu.

Segue o jogo

Por isso, Bolsonaro se mostra consistente e mantém a ponta. Até subiu mais dois pontos na pesquisa Datafolha divulgada ontem. Agora, salto mesmo deu Fernando Haddad, que já divide a segunda colocação com Ciro Gomes, que parou nos 13%. Sinal de que a disputa entre os dois tende a esquentar ainda mais. Brigam pelos votos de Lula e também pelos de Marina, que segue despencando. Alckmin estagnou.

Rejeição

Curioso é que a curva ascendente de Bolsonaro e Haddad se repete também no quesito rejeição. O candidato do PSL é de longe o mais rejeitado. Por outro lado, tem o eleitorado mais convicto. 75% dos que dizem votar nele não admitem mudar o voto. Haddad viu sua rejeição crescer de 22 para 26%. Nesse ponto, vantagem para Ciro, que é rejeitado por 21% do eleitorado.

Voto útil

Se quer mesmo apostar no voto útil, a pesquisa Datafolha traz uma boa notícia para Ciro Gomes. Nas simulações de segundo turno, ele ganha com folga tanto de Bolsonaro quanto de Haddad, que concentram suas votações nos campos da direita e esquerda, respectivamente. Talvez, seja boa ideia moderar um pouco o discurso para capturar o voto de quem abomina os extremos.

Tudo em casa

Domingos Filho registrou sua candidatura a deputado estadual já sabendo que dificilmente poderia levá-la adiante, por ser conselheiro em disponibilidade do TCE. Como não conseguiu se aposentar a tempo, não vai jogar fora a estabilidade do cargo. Candidatura indeferida, põe-se em marcha o plano B. Quem vai tentar representar os Aguiar na Assembleia é sua esposa Patrícia, ex-prefeita de Tauá.

Afinadíssimos

Eunício Oliveira bateu Beto Studart e passa a ser o maior doador (pessoa física) da campanha de Camilo Santana. Senador do MDB doou R$ 600 mil. R$ 100 mil a mais que o presidente da Fiec e apenas R$ 185 mil a menos do que o destinado pela direção nacional do PT ao candidato do próprio partido. Mais uma prova de que a aliança entre Camilo e Eunício é mais sólida do que muitos apostavam.

"Entendo que o que há é uma antecipação da pena e submissão do requerente a vexame público"

Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão de dez páginas por meio d a qual determinou a soltura do ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, Beto Richa (PSDB), além da mulher dele, Fernanda Richa, e mais 11 pessoas.

Tem mais...

Eleição... Movimento É Hora de Avançar, comandado por Erinaldo Dantas, e apoiado por grandes nomes da advocacia cearense, como o atual presidente da OAB-CE, Marcelo Mota, segue se fortalecendo. Aderiu ao projeto a Associação Nova Advocacia, que reúne advogados com até cinco anos de inscrição na Ordem.

...Na OAB A categoria jovem advogado representa 40% do eleitorado. "Estamos reunindo uma grande massa da nossa categoria que quer ver nossa OAB avançar cada vez mais. Estamos dispostos a ir para cima dos desafios", comenta Erinaldo.

Bravo Se cara fechada render votos, o advogado Hélio Góis está é feito. Na entrevista no CETV, da TV Verdes Mares, o candidato do PSL ao Governo expressou toda sua indignação.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.